Imagem Blog

Poder SP - Por Sérgio Quintella

Sérgio Quintella é repórter de cidades e trabalha na Vejinha desde 2015
Continua após publicidade

PM acusado de furtar orquídea foi condenado por ir a camarote no carnaval

Soldado Paulo Rogério Coutinho afirma ser alvo de perseguição por possuir tatuagens no rosto

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 3 jan 2024, 16h23 - Publicado em 3 jan 2024, 16h12

O soldado da Polícia Militar Paulo Rogério da Costa Coutinho, alvo de um procedimento interno que poderá causar a expulsão da corporação (é acusado de furtar uma orquídea no quartel onde atua), já foi objeto de uma ação penal que resultou em condenação.

Conhecido nas redes sociais como Demolidor, o agente se diz perseguido pelos seus superiores por possuir diversas tatuagens, inclusive no rosto.

Enquanto responde a procedimento interno pelo sumiço da planta, o soldado recorre na Justiça Militar de uma sentença de nove meses de prisão, por abandono de posto, proferida em setembro do ano passado.

Durante o carnaval de 2022 no Sambódromo do Anhembi, o policial estava escalado, juntamente com dois colegas, para revistar o público que veria os desfiles, mas o trio se ausentou do local entre 01h19 e 03h02. Durante o período, os três PMs permaneceram no interior do Camarote Brahma.

Continua após a publicidade

“Os réus deixaram de realizar o policiamento externo do Sambódromo, se omitindo quanto à função de garantir a segurança das pessoas e foliões por meio do policiamento ostensivo e preventivo a que foram designados, deixando de efetuar as revistas necessárias que lhes incumbiam”, diz um trecho da denúncia.

A defesa de Coutinho disse que ele e seus dois colegas não tinham a missão de fazer a revista do público, que ficou a cargo de uma empresa privada. Além disso, alega que o soldado foi reconhecido no camarote e requisitado para fotos. “O meu cliente tem milhares de seguidores nas redes sociais e o público presente naquele local, reconhecendo-o, buscou com ele tirar  fotografias e conversar, o que atrasou a volta deles aos seus postos”, justifica o defensor, ressaltando que não houve prejuízo no trabalho da polícia, pois outros agentes estavam designados para permanecer nas entradas.

Para o juiz José Alvaro Machado Marques, no entanto, a conduta foi inapropriada. “O tempo que os acusados permaneceram fora de suas atividades no policiamento externo do evento demonstra cabalmente conduta dolosa. Não estavam preocupados com suas atividades ou com o patrulhamento a pé em prol da segurança pública. Estavam empenhados em outras atividades, estranhas às suas missões”.

Após a sentença condenatória de Coutinho (nove meses de detenção em regime aberto) e seus colegas (seis meses, também no sistema aberto), todos receberam o direito a recorrer em liberdade.

Continua após a publicidade

Após o caso da orquídea ganhar repercussão nas redes sociais, o policial Paulo Coutinho, que possui dezoito anos de carreira e nega o furto, tem dito ser alvo de perseguições desde que começou a fazer as tatuagens, em 2018. As ações e o assédios, segundo o soldado, aumentaram três anos depois, quando fez os primeiros desenhos no rosto.

A Polícia Militar nega qualquer tipo de assédio contra Coutinho.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.