Imagem Blog

Na Plateia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Indicações do que assistir no teatro (musicais, comédia, dança etc.)
Continua após publicidade

Luís Melo estreia ‘Mutações’, peça baseada em obra milenar chinesa

Depois de 21 anos, ator retorna ao Teatro Anchieta, onde por dez anos brilhou no grupo do CPT

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 7 jul 2023, 11h52 - Publicado em 7 jul 2023, 06h00

Luís Melo está de volta ao Teatro Anchieta. Fazia 21 anos, desde que atuou em Cãocoisa e a Coisa Homem, de Aderbal Freire-Filho, que o ator curitibano não encenava no palco onde construiu os alicerces de sua carreira. Entre 1985 e 1995, integrou o grupo do Centro de Pesquisas Teatrais (CPT) de Antunes Filho (1929-2019), sediado ali no Sesc Consolação, onde estrelou peças como Vereda da Salvação (1993) e Gilgamesh (1995).

+ Coletividade e experimentalismo: o legado de Zé Celso para a cultura brasileira 

Deixou a trupe em 1995 para alternar as artes cênicas com as telenovelas. Com nostalgia, o artista retorna ao espaço nesta sexta (7) para a estreia do espetáculo Mutações, dirigido por André Guerreiro Lopes. A peça tem livre inspiração em I Ching — O Livro das Mutações, obra milenar cheia de simbologias e uma das bases da sabedoria chinesa.

Homem em peça de teatro no canto direito com olhos fechados e face de súplica.
Melo em Vereda da Salvação, de 1993: dez anos na trupe de Antunes Filho (Paquito/Divulgação)

Repleta de princípios taoistas, a dramaturgia de Gabriela Mellão busca reforçar a sensação de impermanência. “São cenas, textos, poemas que vão transitando”, conta Melo, no palco com os atores Andréia Nhur e Alex Bartelli. “Os textos são lindos e extremamente difíceis”, revela. Curiosamente, em sua última peça, Ausência (2013), o intérprete não tinha falas.

Continua após a publicidade

Aqui em São Paulo morou até 1997, na região da Bela Vista. Depois de uma temporada no Rio, voltou para Curitiba, em 2000. Saudade da capital paulista não falta. “A cidade ensinou muita gente a ser livre, a produzir as próprias coisas.”

Desde janeiro sem contrato fixo com a Globo, ele lamenta faltarem propostas de trabalho interessantes aos maiores de 60. “Estou sofrendo com o etarismo”, revela o ator de 65, que diz sentir na pele a discussão sobre representatividade, debate que ele e outros colegas da novela Sol Nascente (2016) despertaram à época por viverem personagens asiáticos sem ter origem oriental. “Não faria novamente o papel.”

Atualmente, Melo se dedica ao Campo das Artes, seu espaço cultural em São Luiz do Purunã, a 40 quilômetros de Curitiba, com residência artística, pesquisa e apresentações, onde tem convivido com artistas mais jovens. “Falei essa coisa do etarismo, mas luto por essa geração que tem surgido, tão inquieta querendo fazer arte”, celebra.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.