Imagem Blog

Vinho e Algo Mais Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Por Marcelo Copello
Especialista na bebida, Marcelo Copello foi colunista de Veja Rio. Sua longa trajetória como escritor do tema inclui publicações como a extinta Gazeta Mercantil e livros, entre eles "Vinho e Algo Mais" e "Os Sabores do Douro e do Minho", pelo qual concorreu ao prêmio Jabuti
Continua após publicidade

Uma seleção de vinhos brancos para apreciar no frio

Alguns rótulos têm estrutura suficiente para enfrentar pratos típicos de outono e inverno

Por Marcelo Copello
2 jun 2023, 06h00

Quando se pensa em vinhos para outono/inverno, é comum que a maioria das pessoas imagine uma taça de tinto encorpado, acompanhando uma refeição fumegante e mais energética. Os brancos, porém, também têm seu lugar nos dias frios.

Alguns deles têm corpo suficiente para enfrentar pratos de nível mais alto de sabor e típicos dessa época. Algumas variedades de uvas podem se encaixar nesse cenário, como chardonnay, viognier, marsanne, roussanne, sémillon, chenin blanc, gewürztraminer, arneis, catarratto, albariño/alvarinho, rabigato, antão vaz, riesling… Depende de como foram trabalhadas no vinhedo e na vinificação (transformação da uva em vinho), se colhidas mais maduras, se com macerações mais intensas e se com passagem por barricas de carvalho.

Esses cuidados podem ajudar na produção de bebidas de sabores ricos, textura intensa e boa acidez para acompanhar pratos típicos da estação. As sopas, por exemplo, servidas bem quentes nessa época, podem pedir um branco. Um caldo de abóbora com gorgonzola vai bem com um cremoso chardonnay. Um cozido de frutos do mar fica uma maravilha se escoltado pelo varietal viognier, ou de outras castas do Rhône como marsanne e roussanne.

A fondue de queijo sempre pede branco – pode ser um autêntico chasselas, uva emblemática da Suíça, terra natal da receita, mas também um riesling alemão ou um chardonnay chileno ou brasileiro. Os risotos não podem ser esquecidos, em suas infinitas variações, boa parte delas melhores com vinhos brancos. A manteiga, geralmente usada nesta receita, faz com que a harmonização fique ótima com brancos barricados, como um antão vaz do Alentejo.

Os queijos são um universo à parte na gastronomia. Queijo de cabra vai bem com sauvignon blanc; brie, com chardonnay; gruyère, com riesling; cheddar, com barricados; gouda, com chenin blanc; e gorgonzola, com garrafas de colheita tardia.

Mas lembre-se de não exagerar na temperatura de serviço. Os brancos mais encorpados, geralmente, beneficiam-se de temperaturas um pouco mais elevadas do que as versões leves de verão. Experimente servi-los entre 12°C e 14°C para ressaltar suas características e permitir que se expressem plenamente.

Continua após a publicidade

+ Portugal 360: evento reúne gastronomia, arte e educação na Cinemateca Brasileira

1. Tiara 2017. Da Viña Alicia, em Mendoza, na Argentina. É um blend de 50% riesling, 40% alvarinho e 10% savagnin, não passa por madeira. Além de cor palha brilhante, tem aroma intenso, floral e mineral mais notas de melão, limão, pêssego, gengibre e mel. Paladar com textura macia equilibrada com excelente acidez. Tem 13% de álcool. R$ 449,90, na Evino.

2. Les Moniers Crozes-Hermitage AOP 2018. Do produtor M. Chapoutier, da AOC Crozes-Hermitage. Elaborado com 100% a casta marsanne, sem passagem por madeira, Cor amarelo palha. Aroma de boa intensidade e frutado, tem notas cítricas, de nectarina, ervas e amêndoa. Paladar de médio corpo, equilibrado e macio, com 13,5% de álcool. R$ 419,90, na Evino.

3. Réserve Côtes de Gascogne IGP 2019. Do produtor Domaine Tariquet da Côtes de Gascogne, no sudoeste da França, elaborado com gros manseng, chardonnay, sauvignon blanc e sémillon, com seis meses em barricas de carvalho. De coloração dourada, tem aroma de frutas maduras, flores, madeira, mel e amêndoa. Paladar de bom corpo, é macio na boca. Com 12% de álcool. R$ 254,90, na Evino.

4. Três Melros Branco Douro DOC 2019. Da Quinta do Vallado, no Douro, em Portugal, leva as castas rabigato, códega, viosinho, gouveio, arinto e alvarinho. Parte do vinho (15%) estagia em barricas usadas de carvalho francês. Tem coloração amarelo palha claro e aroma frutado e mineral. Paladar de corpo médio, com boa acidez. Tem 12% de álcool. R$ 219,90, na Evino.

Continua após a publicidade

5. Viognier 2020. Da vinícola Alto De La Ballena, da região de Maldonado no Uruguai, esse viognier sem madeira, repousa por cinco meses sobre as borras. Com coloração palha clara, tem aroma fresco, floral e mineral. Paladar fresco e macio. Tem 12% de álcool. R$ 279,90, na Evino.

6. Dark Horse the Original Chardonnay 2018. O chardonnay americano da Califórnia amadurece em barricas de carvalho francês e americano. Com coloração dourada, tem aroma com madeira marcante, além de frutas bem maduras, baunilha, amanteigados, caramelo e mel. Paladar com alguma doçura, é muito macio na boca. Tem 13,5% de álcool. R$ 111,65, na Wine.

Publicado em VEJA São Paulo de 7 de junho de 2023, edição nº 2843.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.