Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Em Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, cultura asiática ganha protagonismo

Filme da Marvel Studios estreia nos cinemas em 2 de setembro e apresenta novo herói dentro de seu universo

Por Barbara Demerov Atualizado em 24 ago 2021, 20h40 - Publicado em 25 ago 2021, 10h00

No dia 2 de setembro chega aos cinemas Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, nova aventura da Marvel Studios. A trama gira em torno da misteriosa organização dos Dez Anéis e apresenta Shang-Chi, novo super-herói dentro do Universo Cinematográfico Marvel (ou MCU).

Shang-Chi embarca em uma viagem de autodescoberta, confrontando o passado que ele acreditava ter deixado para trás quando ficou preso na teia dos Dez Anéis, organização ligada à sua infância e família. O filme já traz sua marca própria no MCU por ser a primeira história ligada à cultura asiático-americana, com uma coleção de personagens interpretados por atores e atrizes de origem asiática. Além disso, o projeto conta com uma equipe criativa asiático-americana por trás das câmeras, alinhada ao compromisso do estúdio de contar histórias representativas.

+Trailer de Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa traz personagem marcante

Para encontrar o ponto de partida da história de Shang-Chi, a equipe criativa da Marvel – liderada prelos produtores Kevin Feige e Jonathan Schwartz – traçou sua origem mergulhando nos quadrinhos da Marvel dos anos 1970, fortemente influenciados pelo cinema de kung-fu da época. “Embora a arte e a ação desses quadrinhos sejam incríveis, ele precisava de uma importante atualização. Vendo-a hoje, quarenta anos depois, e vendo como as histórias são contadas, Shang-Chi não parecia adequado para o público moderno. Tivemos que pensar em como queríamos que essa voz fosse ouvida em um filme da MCU”, explica Schwartz.

Nesta história de origem, o reimaginado Shang-Chi vive em São Francisco, onde trabalha como manobrista no estacionamento de um hotel. Quando um grupo de assassinos rouba um pingente que sua mãe lhe deu quando era jovem, O herói e sua melhor amiga Katy abandonam suas seguras vidas e viajam para Macau, para alertar a irmã de Shang-Chi, Xialing, que o perigo também se aproxima dela. Conforme o filme avança, o protagonista deve enfrentar o passado que pensava ter deixado para trás. Quando se vê atraído pela rede da misteriosa organização dos Dez Anéis liderada por seu pai, Shang-Chi percebe que deve impedi-lo e aos membros dos Dez Anéis.

+Série Loki cria o aguardado Multiverso da Marvel

“O problema central de Shang-Chi reside em não saber quem ele realmente é. Ao longo do filme, ele deve aprender a ser o dono de cada parte de si mesmo. Em seu interior ficam os resquícios com os quais ele não lidou, as coisas traumáticas que aconteceram com ela quando criança. Esta história é, em essência, ver um jovem lidar com seus problemas pela primeira vez. Ele deve olhar para dentro e entender que há coisas negativas em sua história, mas também há muitos aspectos positivos nela. Se ele não se permitir ver tudo, o bom e o mal, a luz e a sombra, não alcançará todo o seu potencial”, descreve Destin Daniel Cretton, diretor do filme. “Queríamos contar essa história da maneira correta e ver cada personagem como um ser humano multidimensional para tentar evitar todos os estereótipos que, há muito tempo, existem em torno de personagens asiáticos e asiático-americanos”.

Cena de Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, com um duelo prestes a acontecer
Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis: filme promete muitas cenas de ação Marvel/Divulgação

UM ELENCO ORGULHOSO

A equipe criativa por trás de Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis sabia que a história deveria ser contada por talentos que refletissem fielmente o espirito dos personagens e suas circunstâncias. Sob essa premissa, os cineastas reuniram o primeiro elenco de origem basicamente asiática em um filme da Marvel, com a grande maioria dos atores e atrizes de ascendência ou origem asiática. “Ter um elenco de rostos asiáticos representando tanto a cultura dos Estados Unidos como a chinesa foi incrível. Ver como esses jovens personagens asiáticos vivem suas vidas é algo que nunca me aconteceu antes”, confessa Cretton.

Liderado pelo ator sino-canadense Simu Liu, que interpreta Shan-Chi, o elenco inclui a renomada atriz e comediante Awkwafina (“Katy”), o lendário ator de Hong Kong Tony Leung (“Xu Wenwu”), a atriz sino-americana Fala Chen (“Li”) e a icônica atriz malaia de origem chinesa Michelle Yeoh (“Ying Nan”).

Continua após a publicidade

Para Simu Liu, a representação asiática no filme é um ponto-chave que o deixa orgulhoso. “Este é o primeiro super-heróis asiático-americano do MCU. Esperamos muito tempo por um momento como este, vendo-nos retratados desta forma na tela. Muitos de nós, filhos de imigrantes, nunca pudemos nos ver autenticamente nas telas. Vimos caricaturas e estereótipos. Estou animado para ver o que tem acontecido nos últimos dois anos e acredito que esse filme vai ser uma parte importante dessa conversa”, explica Liu.

Na mesma linha, Awkwafina acrescenta: “será muito importante para aquele menino e aquela menina que não veem muitas pessoas de origem asiática, ou outras minorias, na tela. Quando você vê um super-herói, você vê a si mesmo. Acho que esta é a grande importância de filmes como este. Eles permitem que meninos e meninas sintam essa possibilidade. Seguindo essa ideia, tomara que isso abra as portas para mais filmes como este”.

UMA EQUIPE QUE HONRA SUAS ORIGENS

A representação asiática no filme também esteve, desde o início, presente por trás das câmeras, quando a equipe criativa da Marvel saiu em busca de um diretor de origem asiática para contar a história.

Cretton, nascido no Havaí, demonstrou interesse em dirigir o projeto, após ouvir que a Marvel estava procurando um diretor asiático-americano para dar vida a história. O diretor diz: “Na minha infância, meus amigos eram filipinos, chineses e japoneses. No Havaí, se você é asiático, faz parte da maioria. Quando viajei para o território continental dos Estados Unidos, foi a primeira vez que me senti deslocado. Foi a primeira vez que alguém em um bar veio até mim e me chamou de Bruce Lee. Foi aí que percebi e pensei: ‘Ah, sim, aqui sou diferente”. Cretton compartilhou a experiência com os cineastas e a associou à jornada de Shang-Chi no filme. A Marvel respondeu com entusiasmo à sua visão e Cretton foi rapidamente convocado para cadeira do diretor.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Desde então, o processo tornou-se colaborativo e o DNA asiático-americano foi impresso no projeto. O estúdio contratou Dave Challaham, roteirista do filme de origem sino-americana, e também trouxe a designer de produção Sue Chan, nascida em Nova York e com ascendência chinesa. A equipe de edição conta com Harry Yoon, de origem coreana-americana.

Com a representação asiática como verdadeiro protagonista, Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis está escrevendo uma importante página na história da Marvel Studios, enquanto estabelece um precedente valioso para os projetos que estão por vir.

Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis estreia no dia 2 de setembro apenas nos cinemas disponíveis.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês