Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming

Diretor revela que mudou final de Não Olhe Para Cima após improviso

Adam McKay tinha outro destino em mente para personagens como a presidente dos Estados Unidos e o empresário bilionário

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 31 dez 2021, 09h12 - Publicado em 30 dez 2021, 11h07

Atenção: o texto a seguir contém spoilers do filme. Se ainda não assistiu, é melhor voltar depois! 

O diretor Adam McKay revelou em entrevista à revista Variety que o final de Não Olhe Para Cima, filme sensação da Netflix, era outro. A mudança aconteceu após uma improvisação de Maryl Streep, que interpreta Janie Orlean, a presidente dos Estados Unidos. 

No longa, o público vê durante os créditos que o destino da mandatária e do empresário bilionário Peter Isherwell (Mark Rylance) é o de viver em um planeta diferente após construírem uma aeronave caso o plano de destruir o cometa não desse certo. 

A dupla e outras pessoas escolhidas conseguem chegar a um local semelhante à Terra. No entanto, animais estranhos habitam o planeta e representam perigo à vida humana. Tanto que Orlean acaba sendo devorada.

+ As melhores séries de TV lançadas em 2021

Continua após a publicidade

De acordo com McKay, esse não era o final previsto. A troca aconteceu quando Streep conversava com Peter Isherwell. “E ela, que é uma ótima improvisadora, disse: ‘Eu quero saber como vou morrer!'”.

“Nós limpamos [a premissa] um pouco. Acho que todas as vezes que falávamos o nome da criatura, ele mudava, mas o take que usamos falava ‘brontaroc'”, explicou o diretor. “Depois que gravamos, eu disse, ‘Isto é muito engraçado. Nós devíamos terminar com ela sendo comida pelo brontaroc!”

Originalmente, o longa-metragem terminaria com os sobreviventes discutindo quem construiria as primeiras casas humanas no outro planeta.

“O final original era tipo, ‘Bom, vamos começar a construir nossas casas'”, contou McKay. “E alguém diz, ‘Ah, a nave que trazia os trabalhadores explodiu’. E então Mark Rylance dizia, ‘Eu vou dar US$ 1 bilhão para quem construir uma casa para mim’.”

“E daí outro cara dizia, ‘Eu dou US$ 2 bilhões’. E aí você percebe que são todos bilionários”, continuou. “E eles ficam, ‘Eu dou US$ 5 bilhões! US$ 10 bilhões!'”, e acabávamos assim”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês