Imagem Blog

CASACOR

Tendências de decoração, arquitetura, design e paisagismo com curadoria
Continua após publicidade

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão

Diferentes prédios icônicos projetados por alternados nomes da arquitetura preenchem a paisagem de um dos cartões postais mais famosos da cidade de SP

Por Marina Pires/CASACOR
6 abr 2023, 10h00

Ao longo dos 3,5 km de extensão do Elevado Presidente João Goulart, popularmente conhecido como Minhocão, diferentes edifícios icônicos preenchem a paisagem de um dos cartões postais mais famosos da cidade de São Paulo.

Desde 2016, o elevado fecha aos fins de semana e se transforma no Parque Minhocão. Assim, com a via expressa aberta aos pedestres, é possível observar os detalhes da arquitetura dos edifícios projetados por diferentes nomes do ramo, em alternados contextos e dimensões. 

A seguir, conheça e aprecie 7 edifícios icônicos que integram a paisagem de um dos endereços mais conhecidos da capital paulista, o Minhocão.

1. Edifício General Jardim, por João Artacho Jurado (1952)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Marina Pires/Veja SP)

Composto de apartamentos pequenos, práticos e próximos da região central, o Edifício General Jardim, aparentemente de cores neutras, ganha em sua cobertura a marca registrada do arquiteto João Artacho Jurado: cores, formas e ornamentação. Por isso, olhe para cima! Pilares sinuosos suportam uma laje vazada por quadrados intercalados, sobre os terraços das unidades do último andar do edifício.

2. Edifício Nova Ipiranga, ​​por Abelardo de Souza (1950)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Diana Hattum/Veja SP)

Projetado pelo arquiteto Abelardo de Souza, o mesmo à frente dos Edifícios Três Marias e Nações Unidas, ambos na Avenida Paulista, o Edifício Nova Ipiranga surpreende pelos detalhes. Sacadas geométricas, revestimentos em pastilhas cerâmicas e tijolinhos, apartamentos espaçosos e bem iluminados dão o toque modernista que a cidade de São Paulo vivia na época da década de 1950.

Continua após a publicidade

3. Edifício Washington, por Bernardo Rzezak (1949)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Marina Pires/Veja SP)

O Minhocão não fazia parte da paisagem paulistana quando o Edifício Washington ganhou forma pelo arquiteto polonês Bernardo Rzezak, em 1949. O prédio chama atenção pelas suas cores, treliças e por seu formato sinuoso – o que não era tão comum nas fachadas dos edifícios da cidade de São Paulo.

4. Edifício Oswaldo Porchat, por Rino Levi (1942)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Marina Pires/Veja SP)

Quatro edifícios independentes, concebidos para quatro irmãos. Com suas fachadas coloridas e sinuosas, a própria inclinação dos lotes foram os responsáveis pelo movimento orgânico do edifício. Em 2018, o conjunto foi tombado pelo Conpresp como reconhecimento à importância da obra do arquiteto na sua adequação aos princípios da arquitetura moderna.

5. Edifício Racy, por Aron Kogan e Waldomiro Zarzur (1956)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Marina Pires/Veja SP)

 

Popularmente conhecido como “Copanzinho”, o Edifício Racy apresenta a forma ondulada que é impossível não lembrar das curvas do Copan. Estruturado em concreto armado, o edifício apresenta uma ocupação mista – comercial e residencial – e apartamentos amplos e bem iluminados.

6. Edifício Pacaembu, por João Artacho Jurado (1948)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Milena Leonel/Veja SP)

De cara para o Minhocão, o Edifício Pacaembu, assinado por João Artacho Jurado, não apresenta as mesmas características marcantes dos outros edifícios assinados pelo arquiteto. “Ótimas prestações e magníficos apartamentos” faziam parte do anúncio do edifício na década de 1950.

7. Retrofit Edifício Marajó, por Readymake (2019)

 

Arquitetura de São Paulo: conheça 7 edifícios icônicos do Minhocão
(Marina Pires/Veja SP)

Construído no final dos anos 40, o Edifício Marajó representa a suntuosidade de uma era do centro de São Paulo. Mais do que um retrofit realizado pela Readymake, o projeto se apoia em um restauro das qualidades iniciais do prédio que, à medida do tempo, desapareceram devido ao acúmulo das diferentes renovações.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.