Imagem Blog

Arte ao Redor

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

A famosa tela Independência ou Morte (1888) foi restaurada

Obra apelidada como O Grito do Ipiranga, teve sua restauração finalizada em 21 março. A aplicação final de verniz ficou para 2022

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 Maio 2020, 14h04 - Publicado em 8 Maio 2020, 06h00

Em outubro de 2019, nove profissionais, sob o comando de Yara Petrella, de 71 anos, iniciaram o processo de restauro da tela Independência ou Morte (1888), de Pedro Américo (1843-1905). A pintura é parte do acervo do Museu Paulista, localizado no Parque da independência. Apelidada de O Grito do Ipiranga, a obra fazia parte do dia a dia da funcionária da instituição, também chamada de Museu do Ipiranga. “No salão nobre, onde ela fica, ouvíamos queixas dos visitantes sobre o seu aspecto desgastado”, relembra Yara. “Já havia pedido outras vezes para fazer essa restauração, mas não tinha dado certo”, afirma ela, em tom resiliente. Na reta final de alcançar seu objetivo, agora em 2020, foi pega de surpresa: “com a pandemia de Covid-19, fui afastada do trabalho, por ser parte do grupo de risco”. Em uma força-tarefa da equipe, o restauro foi concluído em 21 de março, restando a aplicação de verniz, que deve ser feita em 2022, antes da reabertura do museu.

Moldura tinindo

(José Rosael/Divulgação)

Quatro profissionais da equipe de Yara ficaram a cargo da restauração da moldura. entre os problemas detectados estavam a perda de ornamentos originais e do acabamento na parte inferior. Essa última questão foi solucionada com a aplicação de folhas de ouro. Para que elas não destoassem do conjunto, utilizou-se pátina para a uniformização da estrutura. Outra curiosidade: os ventiladores instalados no salão nobre foram desligados para que as folhas não voassem. Os equipamentos eram importantes para fazer circular o ar no ambiente, que muitas vezes era tomado pelo cheiro forte de solventes.

Trabalho nas alturas

Instalada no salão nobre do Museu Paulista, que tem pé-direito de 10 metros, a tela de Pedro Américo é um gigante com mais de 4 metros de altura e 7 de largura. Para dar conta dela, a equipe de Yara contou com a ajuda de andaimes. “Era uma estrutura multidirecional, então podíamos percorrê-la”, explica a restauradora. “Assim conseguíamos acessar diferentes áreas da pintura simultaneamente”, detalha ela. A primeira fase do restauro começou, no entanto, em 2017, com um levantamento de documentos sobre a pintura. Nessa ponta do iceberg foram obtidos detalhes sobre as cores originais, bem como as áreas retocadas nos três restauros anteriores, sendo o último de 1972.

Palitinhos de bambu

(José Rosael/Divulgação)

A segunda etapa do restauro foi a realização de fotografias do quadro, com lâmpadas ultravioleta, no ambiente escuro. “Um procedimento ajuda a confirmar as informações obtidas no outro, o que nos dá mais certeza no trabalho”, elucida Yara. Com o diagnóstico que constatava o craquelamento e tons alterados na região do céu nas mãos, a equipe se defrontou com o quadro. Para eliminar a sujeira acumulada ao longo do tempo foi feita uma limpeza. Palitos de bambu com algodão enrolado na ponta foram usados para isso. Eles eram embebidos com água deionizada (sem sais minerais).

Continua após a publicidade

Faz e desmancha

(José Rosael/Divulgação)

Com as imagens conseguidas com lâmpada ultravioleta, confirmou-se que havia na pintura marcas de figuras desfeitas por Pedro Américo. “Ele mudou sua assinatura de lugar. No centro da tela, encobriu uma folha de bananeira”, revela Yara. Uma informação interessante nesse apaga-esconde é que o pintor deixava entrever as figuras anteriores no resultado final, por meio da aplicação de uma tinta transparente. “É algo bem sutil. Mantemos porque o restaurador nunca pode interferir nas obras dos pintores”, pontua, em tom firme, Yara.

 

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 13 de maio de 2020, edição nº 2686.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.