Continua após publicidade

SPTuris encontra projeto histórico de Flávio Império do Carnaval de 1984

Descoberta veio em meio à mudança do acervo e ainda traz um poema do autor; decoração foi montada na Avenida Tiradentes, sede da folia na época

Por Pedro Carvalho
2 fev 2024, 06h00

Era um documento exótico em meio às papeladas da burocracia municipal: uma planta arquitetônica que, além dos desenhos e detalhes técnicos, trazia um poema do arquiteto. O autor era o artista plástico, cenógrafo e arquiteto paulistano Flávio Império (1935-1985), figura reverenciada por gente da importância de Maria Bethânia, Zé Celso Martinez Corrêa e Paulo Mendes da Rocha. No projeto, ele apresentava a decoração do Carnaval de 1984, montado na Avenida Tiradentes, que serviu de sede para a festa até a abertura do Sambódromo do Anhembi, em 1991.

A planta surgiu em uma recente mudança do acervo histórico do Carnaval. Ele ficava na antiga sede da SPTuris (empresa de turismo da prefeitura), no Anhembi, em reforma desde a concessão à gestão privada, em 2021. Os versos são uma explicação do projeto: “O que mais determinou a solução escolhida, foi / a magreza da verba, / a pressa da encomenda / e, claro, o brilho exigido / por todo e qualquer sambista”.

Flávio Império em casa, na Bela Vista: referência
Flávio Império em casa, na Bela Vista: referência (Márcia Rebello/Acervo Dedoc)

A “magreza da verba” era típica dos desfiles do período. “A própria Paulistur não sabe quanto vai custar a festa. O presidente interino Edson Dezen (no lugar de João Doria Junior, em férias novaiorquinas) (diz que) pode chegar a 700 milhões de cruzeiros (11 milhões de reais atuais), 200 milhões a menos que no ano passado”, dizia uma reportagem da Folha de S.Paulo. A “solução escolhida” foi aproveitar a estrutura da arquibancada para inserir pórticos com lâmpadas coloridas na avenida — brancas, amarelas e vermelhas. O arquiteto teve uma semana, daí “a pressa da encomenda”.

+ “O Carnaval de rua de São Paulo é mais disruptivo”, diz pesquisador

Continua após a publicidade

“Era o jeito do Flávio, transformar o dia a dia em poesia. Se você perguntasse como anda um projeto, ele diria que ‘as abóbodas pululam no espaço’”, conta o pintor e arquiteto Claudio Tozzi, 79, que o convidou para o trabalho. “Ficou muito bonito. O Carnaval de São Paulo não era rico, mas ele fazia milagres no teatro e fez na avenida”, diz o cineasta Cao Hamburguer, 61, sobrinho de Flávio e integrante da Pérola Negra no desfile de 1984.

O projeto de Flávio Império para o Carnaval de 1984
O projeto de Flávio Império para o Carnaval de 1984 (Jose Cordeiro/SPTuris/Divulgação)
Poesia de Flávio Império para apontar a “magreza da verba”
Poesia de Flávio Império para apontar a “magreza da verba” (Jose Cordeiro/SPTuris/Divulgação)

Nascido no Bixiga, Flávio formou-se na FAU-USP, onde seria professor. “Devo muito do arquiteto que sou a ele”, disse Paulo Mendes da Rocha (1928-2021) em depoimento à Ocupação Flávio Império, feita no Itaú Cultural em 2011. Além da arquitetura, consagrou-se como cenógrafo de shows e teatro.

Continua após a publicidade

Criou cenários e figurinos simples e arrebatadores para peças como Morte e Vida Severina (1960), Um Bonde Chamado Desejo (1962) e Roda Viva (1968). “Passei a ter uma visão de teatro completamente diferente após trabalhar com ele”, disse Zé Celso (1937-2023), no mesmo vídeo. “É um luxo para uma cantora ter sete cenografias e figurinos do Flávio. Daqui a 100 anos, ele será uma referência importantíssima”, afirmou Bethânia.

Outro ângulo do projeto de Flávio Império para o Carnaval de 1984
Outro ângulo do projeto de Flávio Império para o Carnaval de 1984 (Reprodução/Reprodução)

Vítima precoce da aids, aos 49 anos, hoje ele dá nome a um teatro no bairro de Cangaíba, na Zona Leste.

Publicado em VEJA São Paulo de 2 de fevereiro de 2024, edição nº 2878

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.