Continua após publicidade

SP retoma aulas nesta segunda com 40% dos alunos de 5 a 11 anos sem vacina

Diferentemente do estado, município não denunciará ao Conselho Tutelar pais que insistirem em não vacinarem seus filhos

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 fev 2022, 18h18 - Publicado em 6 fev 2022, 17h59

Cerca de 1 milhão de alunos matriculados nas escolas de educação infantil e ensino fundamental na cidade de São Paulo voltam às aulas a partir desta segunda-feira (7) na cidade de São Paulo.

+Medida do governo estadual pressiona vacinação infantil

Dados da própria prefeitura indicam que quatro em cada dez crianças de 5 anos a 11 anos de idade da cidade de São Paulo ainda não foram vacinadas contra a Covid-19, embora haja imunizante disponível e em quantidade suficiente para todas elas há mais de uma semana.

Contabilidade disponível no site Vacinômetro da Secretaria Municipal de Saúde com dados do sábado (5) indicam que das 1 083 159 crianças de 5 a 11 anos, 658 813 já tomaram a vacina (60,8% do total). É possível inferir que 424 346 ainda não tomaram sequer a primeira dose. E muitas delas estudam em escolas da rede municipal de ensino.

Continua após a publicidade

Diferentemente do governo estadual, a prefeitura não denunciará os pais que insistirem em não vacinar os seus filhos. A medida é contestada por especialistas, segundo revela reportagem da Vejinha desta semana. Confira aqui o conteúdo.

+Pais terão até o dia 3 de julho para comprovar vacinação dos filhos

Para receber os alunos, a Prefeitura de São Paulo informou ter realizado vários investimentos. Assim como nos dois primeiros anos da pandemia, todos os protocolos sanitários serão mantidos dentro das escolas, como aferição de temperatura, uso de máscara e álcool em gel.

Continua após a publicidade

Só em máscaras e álcool em gel, a Secretaria Municipal de Educação informou ter investido R$ 30 milhões. São 142 milhões de máscaras comuns, usadas por alunos, e 1,6 milhão do modelo PFF2, a mais indicada para conter a contaminação com a variante Ômicron, que serão usadas pelos professores e servidores.

Para auxiliar no cumprimento dos protocolos, assim como ocorreu em 2021, as escolas terão o reforço de 4 590 mães de alunos. Elas ficarão responsáveis por averiguar se os protocolos sanitários de combate ao Covid-19 estão sendo cumpridos.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.