Continua após publicidade

Justiça condena estado a indenizar docente agredida por aluna

Professora foi perseguida, xingada verbalmente e apanhou de estudante

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 fev 2022, 16h58

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) condenou o governo estadual a pagar indenização a uma professora agredida por uma aluna. O valor fixado pelos danos morais foi de R$ 20 mil.

Segundo o processo, no ano de 2018 a professora de ciências lecionava em uma escola estadual de Rio Claro, no interior do estado, quando teve um desentendimento com uma aluna. Ela foi levada até a direção da escola e acabou suspensa.

+PM prende homem que cultivava maconha no quintal de casa para vender

Reintegrada, ela voltou para a mesma turma por um erro da direção da escola, já que ela deveria ser redirecionada para ter aulas dessa disciplina com outro docente.

As rixas continuaram, sempre com a aluna xingando e destratando a professora, além de ameaçar agredi-la. Em 2019, depois de uma nova rixa, a estudante foi levá-la novamente para a diretoria. Temendo que as agressões se concretizassem, a professora foi até uma delegacia de Polícia Civil e elaborou um boletim de ocorrência contra a aluna.

Continua após a publicidade

A avô menina, que era tutora da menor, decidiu transferi-la de escola. Mesmo assim, a garota continuava a frequentar a antiga instituição de ensino e a xingar e ameaçar a professora. Quando era questionada, ela dizia que estava apenas visitando suas amigas e ex-colegas de turma.

+Ministro da Saúde alerta que país não atingiu pico da variante Ômicron

Declarando estar psicologicamente muito abalada, a docente tirou licença médica.

Ao retornar para o início do ano letivo de 2020, a professora percebeu que a garota havia voltado à escola e para a sua sala de aula. Dias depois, foi humilhada novamente e, desta vez, as ameaças de agressão se concretizaram, com a aluna batendo na docente.

Continua após a publicidade

Um novo boletim de ocorrência foi elaborado. Além de relatar a situação, a professora também mencionou que os dirigentes do colégio em que ela trabalhava foram omissos.

+Desvio da cratera na Marginal Tietê abre para tráfego nesta segunda (7)

A reportagem teve acesso ao nome da professora, escola em que ela trabalha e também identificação da aluna, e não irá publicar os seus nomes para preservá-las.

O estado já havia sido condenado em primeira instância. Ao recorrer, a decisão foi mantida. O relator do recurso, desembargador Moreira de Carvalho, afirmou que as provas juntadas ao processo confirmam a omissão da direção do colégio. “Conclui-se, então, dos fatos expostos, que o comportamento da aluna jamais poderia ter sido condescendido pelos coordenadores da escola, pois tal omissão fortaleceu os embates em face da professora e os consequentes danos por ela sofridos”, afirmou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.