Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

RIO: Prédio de quatro andares desaba e mata criança

Uma menina foi encontrada morta e outras quatro pessoas foram resgatadas; homem ainda é procurado pelas equipes

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 3 jun 2021, 11h04 - Publicado em 3 jun 2021, 11h02

Um edifício desabou na madrugada desta quinta-feira (3) na comunidade de Rio das Pedras, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Uma menina de 2 anos morreu soterrada e quatro pessoas foram resgatadas com vida, segundo os bombeiros. Três delas foram socorridas de madrugada e a quarta foi retirada dos escombros por volta das 9h30. Esta última é a mãe da criança. O marido dela ainda é procurado. 

O secretário relatou que havia uma dificuldade muito grande na retirada da mulher porque parte da laje estava sobre o quadril dela. “É um trabalho de muita dificuldade, de muito risco e o Corpo de Bombeiros tem que trabalhar com muita calma, muita paciência. Acredito que em poucas horas vamos conseguir retirar essas três vítimas que estão sob escombros”, disse ele pouco antes do resgate.

Agora os bombeiros continuam o trabalho no local para o resgate de um homem de 30.  Os bombeiros estão com uma quantidade grande de equipamentos, inclusive um gerador, uma vez que foi necessário interromper a energia no local para a continuidade do trabalho. O coronel Leandro Monteiro informou que os três feridos que foram levados mais cedo para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, são duas mulheres e um homem.

Polícia Civil

A 32ª DP (Taquara) instaurou inquérito para apurar as circunstâncias do desabamento do prédio. Segundo a Secretaria de Polícia Civil do Rio, equipes da delegacia estão no local para identificar testemunhas e vítimas. A perícia será realizada assim que os bombeiros terminarem o trabalho.

A prefeitura ainda não confirmou a situação do prédio que desabou, mas há muitas construções irregulares na região. Em abril de 2019, dois prédios irregulares desabaram na comunidade vizinha da Muzema e provocaram a morte de 24 pessoas.

Com informações da Agência Brasil

  • Continua após a publicidade
    Publicidade