Prefeitura reforça ação contra pirataria e prevê reciclagem de produtos

Parte da mercadoria captada no centro pode ser enviada para reciclagem em presídios

Prestes a completar um ano, a operação da prefeitura paulistana contra o comércio ilegal e a pirataria de roupas, calçados e acessórios no centro, iniciada em novembro de 2018, atingiu na última semana a marca de 3 000 toneladas de objetos apreendidos, o suficiente para encher 1 000 caminhões pequenos. A medida tem duas frentes. A primeira consiste na ocupação total de uma área de 153 000 metros quadrados, equivalente à dos parques da Aclimação e Trianon juntos, no perímetro do Largo da Concórdia, no Brás. Ali, os mais de 1 000 camelôs que atuavam estão impedidos de estender barracas e lonas durante o dia. A ação está na terceira fase; a quarta deverá ocorrer até novembro e chegará ao Pari. “O próximo passo é fazer o mesmo processo no período noturno, mas ainda sem estipular prazos”, afirma o prefeito Bruno Covas (PSDB), referindo-se ao espaço ocupado por milhares de barracas conhecido como Feira da Madrugada e que rende ao pedaço o apelido de “terra de ninguém”.

O segundo foco da Operação Comércio Legal no centro visa a combater a falsificação, tanto nos pontos de venda quanto nos depósitos de mercadorias. Em parceria com a Receita Federal ou com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), a medida resultou até agora no fechamento de 34 endereços. Foram 138 000 metros quadrados de estabelecimentos lacrados ao todo, o equivalente ao dobro do tamanho do Shopping Center Norte, um dos maiores da cidade. Desses espaços, três estão abertos por ordem judicial e cinco regularizaram o licenciamento com outra atividade. Vinte e seis permanecem fechados na capital.

Operação na região da Rua 25 de Março, no centro: o próximo passo da prefeitura é combater o comércio virtual ilegal

Operação na região da Rua 25 de Março, no centro: o próximo passo da prefeitura é combater o comércio virtual ilegal (Marcelo Pereira/Prefeitura/Reproduçáo/Veja SP)

O maior deles é o Shopping 25 Brás, localizado na Rua Barão de Ladário e cuja propriedade é atribuída ao chinês Law Kin Chong, que chegou a ser apontado pela polícia como um dos maiores contrabandistas do país. Alvo da operação no início de setembro, o espaço abrigava 600 boxes, estacionamento e praça de alimentação. “O empreendimento não pertence ao Law. Além disso, a atividade da empresa que administra o espaço é exclusivamente de locação, não de venda direta”, afirma o advogado Miguel Pereira Neto, que defende o chinês em processos judiciais no Brasil.

Esta não é a primeira vez que a gestão municipal volta suas forças contra a pirataria na metrópole. Em 2007, o então prefeito Gilberto Kassab chegou a “expulsar” Law da cidade. “Se não sair por bem, vai sair no camburão”, disse à época. Agora, com as apreensões realizadas em parceria com a Receita e com as marcas — escritórios contratados atuam na investigação e identificação dos produtos —, a gestão Bruno Covas pretende dar uma destinação aos produtos.

Roberto Arantes (à esq.), da Sé, e Guilherme Brito, da Mooca: responsáveis pelas subprefeituras que concentram ações contra a pirataria

Roberto Arantes (à esq.), da Sé, e Guilherme Brito, da Mooca: responsáveis pelas subprefeituras que concentram ações contra a pirataria (Alexandre Battibugli/Veja SP)

A ideia é fechar ainda em outubro um convênio com a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) para a descaracterização das peças e a reciclagem dos tecidos. “Cerca de 80% das apreensões são de vestuário, e nossa ideia é socializar o que poderia ser descartado”, afirma o secretário executivo Fabio Lepique, responsável pelas operações nas áreas das subprefeituras da Sé e da Mooca. No estado, presídios como o de Tremembé possuem oficinas que podem ser usadas para a retirada de etiquetas e logotipos.

Outra medida a ser implementada na cidade é o combate à pirataria virtual. Em parceria com o Ministério Público, agentes da Guarda Civil Metropolitana e das subprefeituras serão treinados para notificar imediatamente sites que abrigam anúncios de produtos falsos. “Muita gente acredita nas propagandas abrigadas em páginas confiáveis e nas fotos de produtos originais”, afirma o advogado Luiz Claudio Garé, que representa o Grupo de Proteção à Marca. “Na dúvida, procure as lojas conhecidas ou vá diretamente ao site dos fabricantes. E não acredite em promoções mirabolantes”, aconselha.

NÚMERO DO CONTRABANDO

Dados a partir de novembro de 2018

3 000 toneladas apreendidas

783 milhões de reais em mercadorias

34 locais interditados

26 permanecem fechados

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 09 de outubro de 2019, edição nº 2655.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s