Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

PC Siqueira: polícia não encontra provas de pedofilia após perícia

Peritos examinaram computador, celular e outros itens eletrônicos do youtuber, diz site

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 23 fev 2021, 19h50 - Publicado em 23 fev 2021, 19h49

O criador de conteúdo PC Siqueira teve seu nome envolvido em uma suspeita de pedofilia após mensagens atribuídas a ele circularem nas redes sociais em junho de 2020. Investigado pela polícia, a perícia nos seus equipamentos eletrônicos não revelou nenhuma evidência que possa incriminar o youtuber, afirma o Notícias da TV.

De acordo com o site, a Superintendência da Polícia Técnico-Científica examinou o computador, HD externo, celular, videogame e outros itens eletrônicos de PC. Em todos os objetos a conclusão foi que o influenciador não armazenava, compartilhava fotos ou vídeos de conteúdo pornográfico de menores de idade, não teve conversas sobre o tema ou realizou buscas em sites sobre o assunto.

O termo foi encontrado apenas no computador de PC Siqueira durante uma conversa com uma mulher em um contexto jocoso. A conversa teria ocorrido entre 2008 e 2011. Os dois flertavam quando a mulher, chamada de Vanessa, mostrou seu RG de quando era menor de idade e PC teria dito: “na verdade, eu sou pedófilo”. Outra frase foi dita após o youtuber mostrar o seu quarto para a mulher e ela notou a presença de brinquedos, e ele respondeu: “tenho essas coisas para atrair menores de idade”.

DOENÇA DEGENERATIVA

PC Siqueira foi diagnosticado com uma doença degenerativa rara chamada osteonecrose. Ele passou por uma cirurgia de substituição do quadril e publicou um vídeo nas redes sociais mostrando que está reaprendendo a andar.

De acordo com o youtuber, uma segunda cirurgia está marcada para daqui dois meses. Para arcar com os custos dos procedimentos, ele usou as redes sociais para pedir ajuda financeira aos fãs.

 

Continua após a publicidade
Publicidade