Continua após publicidade

Novo Hospital Pérola Byington inaugura nos Campos Elíseos

Com mais de 50 000 metros quadrados, a nova sede, batizada de Hospital da Mulher, ampliou os atendimentos no tratamento à saúde feminina

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Maio 2024, 21h33 - Publicado em 14 set 2022, 15h12

O novo Hospital Pérola Byington, nos Campos Elíseos, foi inaugurado nesta quarta-feira (14) pelo Governo de São Paulo. A instituição referência em saúde da mulher começou a receber pacientes em seu ambulatório na última segunda (12) e até o mês de outubro deve começar a atender as outras especialidades e o prédio na Bela Vista deixará de operar.

+ Deputados pedem cassação de Douglas Garcia, que ofendeu Vera Magalhães

A nova sede, batizada de Hospital da Mulher, ganhou equipamentos tecnológicos e ampliou os atendimentos na área de oncologia e de assistência a vítimas de violência sexual. As especialidades ainda incluem ginecologia de alta complexidade, cuidados paliativos e reprodução humana assistida.

Com mais de 50 000 metros quadrados,  o centro de saúde foi erguido por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) com um financiamento de R$ 245 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

O nome da professora, filantropa e ativista Pérola Byington não pode ser usado para a nova unidade, pois a Cruzada Pró Infância não autorizou a continuidade da homenagem. A proibição foi comunicada por meio de ofício, que definiu que o nome Hospital Pérola Byington pertence à fundação dedicada à assistência, educação e proteção para a mãe e a criança.

Continua após a publicidade

Desde 1959, a instituição funcionava em um prédio alugado na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na Bela Vista, e agora começa a operar em edifício próprio da cracolândia. O governo aposta na revitalização da região com a chegada do hospital.

A transferência do antigo prédio para o novo ocorrerá gradativamente, para evitar prejuízo aos pacientes. Os atendimentos na unidade serão todos feitos pelo SUS.

A unidade vai ofertar cerca de 184,3 mil procedimentos ao ano, incluindo atendimentos ambulatoriais, internação e sessões de quimioterapia, hormonioterapia e radioterapia, além de ampliar a quantidade de leitos para 172, sendo 10 de UTI e 60 de enfermaria.

Haverá ainda aumento de 66% nos serviços de quimioterapia e hormonioterapia. No local, as pacientes também contam com tomografia com sedação e ressonância magnética (PET-CT), além da ampliação da oferta de mamotomia e urodinâmica.

Continua após a publicidade

A gestão da unidade será feita pela Organização Social de Saúde (OSS) Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP), selecionada por chamamento público. A Inova, que construiu o prédio, fica responsável pela manutenção predial e a parte de equipamentos.

Em agosto, a Vejinha publicou uma reportagem especial sobre o novo Pérola.

+ Assine a Vejinha a partir de 9,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.