Continua após publicidade

Mercados Oxxo viram alvo de arrastões e deixam de operar 24 horas em SP

Ao menos vinte unidades da rede na capital estão baixando as portas entre 21 e 23 horas, o que provoca uma onda de queixas nas redes sociais

Por Mattheus Goto
Atualizado em 27 Maio 2024, 21h23 - Publicado em 28 out 2022, 06h00

Perto das 3 da madrugada do dia 25 de julho, um grupo de aproximadamente quinze pessoas invadiu uma unidade do mercado Oxxo na Rua Apeninos, no bairro do Paraíso. Alguns segundos depois, elas saíram em disparada com os produtos roubados. A Polícia Militar afirma que recebeu um chamado, mas a turba já havia fugido quando chegou ao local.

+ Irmãos do Bom Retiro expandem marca de roupas e terão loja no Morumbi

Não era um episódio isolado. Em junho, uma loja da rede — que veio para São Paulo com a promessa de funcionar 24 horas — na Praça da Sé foi alvo de depredação e saques. Há relatos de ataques noturnos a outros endereços da marca, como o da Rua Luís Góis, em Mirandópolis, onde atendentes confirmam um assalto no início do ano.

Como resultado, o projeto de operar durante a noite em toda a malha, um chamariz do Oxxo, ficou para trás. Ao menos vinte unidades da capital (como a da própria Luís Góis) agora baixam as portas entre 21 e 23 horas — o que provoca uma onda de queixas nas redes sociais.

Imagem de câmera de segurança de pessoas invadindo um Oxxo
Oxxo na Rua Apeninos: quinze pessoas saquearam itens (G1/Reprodução)

O Oxxo (pronuncia-se “óc-sô”) surgiu em 1978, na cidade de Monterrey, no México. A rede pertence à Femsa, a maior engarrafadora da Coca-Cola do mundo, que teve lucro de 3 bilhões de dólares no ano passado, dos quais 1,2 bilhão vieram da varejista. Chegou ao Brasil em 2019, em sociedade com a Raízen, dona dos postos Shell, de quem comprou metade da rede de conveniências por 561 milhões de reais.

Continua após a publicidade

A joint venture, batizada de Grupo Nós, anunciava planos ambiciosos: 500 lojas em três anos. A primeira foi aberta em Campinas, em dezembro de 2020. Menos de dois anos depois, o grupo tem mais de 170 pontos no estado — o Carrefour Express, em operação desde 2014, possui 147 lojas paulistas.

+ Os planos do Metrô e da CPTM para transformar a estação Barra Funda

É uma estratégia conhecida como “abordagem de proximidade”. “Para custear a estrutura, é preciso ter um ‘mar’ de lojas. Senão, a conta não fecha”, explica Eduardo Yamashita, da consultoria Gouvêa Ecosystem. Para ele, mudanças como a redução no horário são naturais. “A empresa toma medidas por segurança e economia”, diz.

Na dita “cidade que tem tudo a qualquer hora”, serviços que viram a madrugada são cada vez mais raros. “Caiu, sim, o número de mercados 24 horas”, afirma Rodrigo Marinheiro, gerente de relações institucionais da Associação Paulista de Supermercados. “Você não quer bancar o herói, abrir à noite e se dar mal”, declara Rodrigo Alves, do tradicional Ponto Chic, no Largo do Paissandu, que fecha às 20 horas.

À Vejinha o Oxxo afirma “testar formatos e alternativas que permitam manter a qualidade”.

Continua após a publicidade

+ Assine a Vejinha a partir de 9,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 2 de novembro de 2022, edição nº 2813

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.