Continua após publicidade

Tradutora leva ensino gratuito de libras para comunidades de SP

Projeto atende regiões leste e norte da capital com foco em pessoas ouvintes

Por Luana Machado
Atualizado em 22 set 2023, 09h08 - Publicado em 22 set 2023, 06h00

Contam as boas línguas (e mãos) que um professor surdo francês foi chamado por Dom Pedro II para fazer uma língua nova no país. Ernest Huet, inventor da Libras, a língua brasileira de sinais, criou e ensinou o alfabeto utilizado até hoje. Falada por milhões de brasileiros — de acordo com o IBGE, existem aproximadamente 10 milhões de surdos no território nacional —, o trabalho de possibilitar a comunicação dessas pessoas continua.

Uma das seguidoras de Huet é Gyanny Xavier, de 32 anos, criadora do Libras na Quebrada, projeto que divulga e ensina a cultura e a linguagem surda nas periferias da Zona Leste e Norte da capital paulista. A tradutora profissional teve seu chamado em 2009, quando trabalhava na Galeria do Rock e atendeu seu primeiro cliente surdo. “Ele teve que me dar o alfabeto e pegar um papelzinho para se comunicar. Na época, eu não entendia o mundo surdo, mas vi naquele momento que ele deveria ser atendido como qualquer outra pessoa”, conta.

Depois de aprender Libras e ter experiência como assistente pedagógica, decidiu divulgar Libras para mais mãos nas quebradas paulistanas. “Nosso projeto, além de ensinar Libras, tem uma parte social. Temos oficinas que ensinam mais do que só a língua de sinais, mas sim o mundo surdo, o tato e o acolhimento à comunidade.”

Embora tenha como foco ouvintes, o Libras na Quebrada recebe outras demandas. “Como é um projeto aberto ao público, vem surdos que querem conhecer mais sinais ou familiares que querem aprender como socializar melhor”, ela explica.

Continua após a publicidade

Agora, o projeto conta com apoio de um edital da prefeitura e tem uma média de cinquenta alunos em quatro turmas: duas na Casa de Cultura Casarão da Vila Guilherme, na Zona Norte, e outras duas no Centro Cultural da Penha, na Leste. Recentemente, tiveram que ser realocados por problemas estruturais e só uma turma conseguiu transferência para a Biblioteca Álvares de Azevedo, também na Zona Norte. Gyanny sonha ensinar em outras periferias. “Queremos chegar em mais zonas, mas precisamos de convite das casas de cultura.”

Publicado em VEJA São Paulo de 29 de setembro de 2023, edição nº 2860.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.