Continua após publicidade

Jovem tem perna amputada após pegar bactéria em hospital no litoral de SP

Alexandre Rodrigues, de 23 anos, luta para pagar a prótese que usa e processou a unidade de saúde

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
1 mar 2022, 14h20

Alexandre Rodrigues, 23, teve diversas fraturas após se acidentar de moto na Via Expressa Sul, em Praia Grande, no litoral paulista, no dia 29 de maio de 2020. Ele ficou três meses internado no Hospital Municipal Irmã Dulce e passou por mais de 12 cirurgias. Durante o tempo hospitalizado, contraiu uma bactéria e precisou amputar a perna direita.

No acidente, o jovem fraturou o fêmur, a tíbia e a fíbula. “Fui socorrido e encaminhado para o hospital. De imediato, fiz uma ponte de safena, porque o pé já não estava mais recebendo sangue. Depois, ainda coloquei uma haste no fêmur e um fixador externo na tíbia e fíbula”, relata ao g1.

Alexandre conta que depois de um mês internado, apareceram manchas escuras em sua perna. “Essa ferida começou a corroer minha perna, e fomos fazendo exames. Descobrimos que eu tinha pego uma bactéria. Fui tendo que fazer raspagens. Tentaram de todas as formas, só que ela acabou se alojando no meu osso, foi aí que eles indicaram a amputação”, conta.

Alexandre logo que chegou ao hospital sendo cuidado pelas enfermeiras — Foto: Arquivo Pessoal

Continua após a publicidade

Agora, Alexandre luta para pagar a prótese que está usando e entrou com um processo contra o hospital.

“Teve negligência, já que os enfermeiros iam fazer curativos sem luva, levavam bandejas de outros pacientes para fazer um novo curativo, sabendo que eu já estava com a bactéria severa. Os antibióticos acabavam tendo atraso, fazendo com que quebrasse o ciclo, que era justamente para matar a bactéria. Isso tudo acabou agravando mais minha situação”, complementa.

Antes de amputar a perna, Alexandre tentou outro tratamento por seis meses no Hospital do Guarujá, mas não conseguiu reverter a situação.  “Até conseguir assimilar tudo, foi bem complicado. Hoje em dia, vem caminhando tudo bem, estou voltando à minha rotina, fazendo exercícios, voltei a trabalhar, e estou me adaptando à prótese. Estou bem para cuidar da minha filha e esposa, que é o mais importante. Mas, ainda preciso conseguir pagar a minha prótese”, conta.

Continua após a publicidade

A direção do Hospital Municipal Irmã Dulce divulgou, em nota, que o o paciente recebeu toda a assistência disponível na unidade e que não pode dar detalhes sobre o caso, já que foi judicializado.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.