Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Histórias de vítimas de Revolução de 1924 ganham espaço em livro

Obra do jornalista Moacir Assunção traz relatos pouco conhecidos da revolta ocorrido no século passado na capital

Por Alexandre Nobeschi [com reportagem de Alessandra Freitas] Atualizado em 1 jun 2017, 16h52 - Publicado em 16 Maio 2015, 00h00

Uma chaminé da antiga Usina de Força, no bairro da Luz, é o único resquício do maior conflito bélico ocorrido na cidade. Foram 504 mortos e quase 5 000 feridos durante os 23 dias em que as tropas federais do presidente Arthur Bernardes atacaram militares rebeldes que tentavam destituí-lo do poder, em 1924. Apesar do alto grau de letalidade, o confronto sempre esteve às sombras da guerra civil de 1932 nos registros históricos e, por isso, é chamado de Revolução Esquecida de 1924.

+ São Paulo recebe mostra de Frida Kahlo em setembro

Revolução esquecida de 1924 (1)
Revolução esquecida de 1924 (1)

O livro São Paulo Deve Ser Destruída — A História do Bombardeio à Capital na Revolta de 1924 (Record, 280 páginas, 45 reais), lançado pelo jornalista e historiador Moacir Assunção, joga luz sobre o terror vivido naquela época. Além de relatar as circunstâncias que levaram ao triunfo do governo, a obra contempla memórias das vítimas, como a de uma família da Mooca morta durante um bombardeio.

+ Cinco destinos legais perto de São Paulo

Continua após a publicidade
Publicidade