Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Fila da fome: entidades reforçam pedido de doações de alimentos

Com o agravamento da pandemia e agora sem auxílio emergencial, cresce demanda por marmitas e cesta básica; saiba como ajudar

Por Sérgio Quintella Atualizado em 25 mar 2021, 23h50 - Publicado em 26 mar 2021, 06h00

O agravamento da pandemia do coronavírus no Brasil, somado ao término do auxílio emergencial do governo federal, atingiu em cheio as populações mais pobres e vulneráveis da metrópole. O resultado imediato, menos comida na mesa, leva muitas pessoas a depender exclusivamente das ações de voluntários. Não é incomum uma ação social específica ser o único meio de acesso a alimento para membros de uma família inteira.

“Uma mãe veio aqui e disse que desde novembro vive das nossas quentinhas. São duas de manhã e duas à noite que ela, desempregada, divide com seis pessoas”, afirma Marcivan Barreto, presidente da Central Única das Favelas (Cufa) em São Paulo. A entidade tem como base principal a favela de Heliópolis e atua solidariamente em 250 comunidades carentes da Grande São Paulo. Até o ano passado, o trabalho principal da Cufa era na arrecadação e distribuição de cestas básicas. Agora, com o preço do gás de cozinha beirando 100 reais, as marmitas são a primeira necessidade de muita gente.

10 000 marmitas chegaram a ser produzidas por dia em Paraisópolis

 

“Fazemos e entregamos de 800 a 1 000 quentinhas por dia, mas nossa demanda é muito maior e dependemos de doações para chegar a pelo menos 1 500 unidades diárias”, afirma Barreto. Na união de moradores local (Unas), também em Heliópolis, além das cestas básicas, há ações de distribuição de kits de higiene e limpeza, também dependentes de doações por parte de empresas e pessoas físicas. Veja no final da matéria locais que podem receber doações.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Fila para receber doação
Unas: ações de distribuição de kits de higiene e limpeza Douglas Cavalcante/Comunicação Unas/Divulgação
Homem de costas e de máscara carregando sacos de comida.
Cufa: entidade atua solidariamente em 250 comunidades carentes Igor Oliveira/ Cufa/Divulgação

Do outro lado do Rio Pinheiros, em Paraisópolis, as 10 000 marmitas feitas diariamente no ano passado se resumem a, no máximo, 20% do montante de antes. “Conseguimos muitas doações na última semana e temos comida para mais quinze dias”, afirma Gilson Rodrigues, presidente da União de Moradores de Paraisópolis. “Mas é preciso uma ação perene, para fazer com que mais pessoas possam se alimentar adequadamente.” Tanto as ações da Cufa quanto as da União de Moradores de Paraisópolis possuem diversidade no recebimento das doações. Uma delas é a possibilidade de o doador ligar em um dos mercados locais e fazer uma encomenda da quantidade que quiser.

A prefeitura paulistana, por meio do programa Cidade Solidária, tocado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos, recebe doações de cestas básicas, alimentos não perecíveis e kits de higiene. Um dos locais indicados fica em um galpão da Cruz Vermelha, em Indianópolis.

Na Vila Medeiros, o restaurante Mocotó promove desde o ano passado uma ação que entrega marmitas e cestas com produtos orgânicos para moradores carentes do pedaço. A exemplo de Heliópolis e Paraisópolis, ali a conta é maior do que a necessidade.

“Fazemos cem marmitas por dia, a metade do que fazíamos no ano passado”, reconhece Rodrigo Oliveira, chef e proprietário da casa, que, com a esposa, Adriana Salay, ganhou o prêmio Causa Social de VEJA SÃO PAULO COMER & BEBER pela iniciativa. Para ajudar a custear o projeto, Oliveira lançou mão de vaquinha virtual que tem como objetivo arrecadar 100 000 reais. Até a última quarta-feira (24), somou 84 000 reais. “Pode parecer clichê, mas qualquer pequena doação faz toda a diferença”, afirma.

Continua após a publicidade
Funcionários, de máscara, montando as marmitas no salão dos restaurante
Voluntários do Mocotó: Rodrigo Oliveira é proprietário e chef do restaurante Mocotó/Divulgação

Mapa da doação: por onde ajudar

União de Moradores de Paraisópolis Rua Ernest Renan, 1366 PIX: 12.772.787/0001-99 97723-4537; g10favelas.com.br/ 

Central Única das Favelas (Cufa) Rua Coronel Silva Castro, 151, Heliópolis www.cufa.org.br 98103-9227

União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis (Unas) Rua da Mina Central, 38 PIX: 38.883.732/0001-40 www.unas.org.br/doe

Quebrada Alimentada (Restaurante Mocotó) Av. Nossa Senhora do Loreto, 1100, Vila Medeiros 2951-3056 www.vakinha.com.br (ID 1026885)

Paróquia São Miguel Arcanjo (Padre Julio Lancellotti) Bradesco: agência 0299 Conta-corrente: 034857-0 CNPJ: 63.089.825/0097-96

Missão Paz (Padre Paolo Parise) Bradesco: agência 515 Conta-corrente: 34123-1 CNPJ: 62.806.682/0004-24

Programa Cidade Solidária (Prefeitura de São Paulo) Avenida Moreira Guimarães, 699, Indianópolis. doacoes@prefeitura.sp.gov.br

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 31 de março de 2021, edição nº 2731

  • Continua após a publicidade
    Publicidade