Clique e assine por apenas 6,90/mês

Desfile da Vai-Vai é marcado por confusão

Ao fechar o portão, três integrantes de apoio ao grupo, que haviam distribuído bandeirinhas para o público, ficaram ainda na pista

Por Estadão Conteúdo - 26 Feb 2017, 09h24

A escola de samba Vai-Vai pode perder pontos após uma confusão nos minutos finais do desfile. Ao fechar o portão, três integrantes de apoio ao grupo, que haviam distribuído bandeirinhas para o público, ficaram ainda na pista. Mas o relógio já havia sido zerado pelos cronometristas da Liga na torre, que oficializaram o fim do desfile sem perceber os membros da escola no lado de dentro da avenida.

Fiscais da Liga começaram a gritar para a torre, avisando que os três membros da equipe da Vai-Vai haviam ficado na pista. O trio percebeu a movimentação e, temendo uma punição, retirou as camisas da escola. Segundo os fiscais da Liga, agora somente as câmeras poderão mostrar se é caso de perda de pontos. Para cada minuto de atraso, as escolas perdem um ponto.

O presidente da Vai-Vai, Darly Silva, conhecido por Neguitão, disse que vai recorrer caso haja punição e negou ter infringido as normas. “O que conta no regulamento são os componentes do desfile. O julgamento só deve ser feito a quem está fantasiado. Mesmo que esteja com camiseta da escola, não conta”, afirmou.

Escola seguinte à Vai-Vai na ordem de apresentação, a Nenê de Vila Matilde se recusou a entrar na avenida por questões de segurança depois que um dos carros da escola do Bixiga deixou um rastro de água com substância escorregadia. O líquido saiu de um dos carros alegóricos da Vai-Vai.

Continua após a publicidade

A bateria da Vai-Vai, que encerra o desfile, correu bastante nos cinco minutos finais. Houve princípio de confusão nos metros finais, quando os organizadores da escola pediam que os participantes corressem.

A escola homenageou a Mãe Menininha do Gantois, considerada uma das principais representantes do candomblé no Brasil. Filha de Menininha do Gantois, Mãe Carmen desfilou na comissão sentada em uma cadeira banhada de dourado. Para exaltar a religião, itens como búzios e máscaras africanas tiveram destaque nos carros alegóricos e nas fantasias.

Publicidade