Contrato para revitalização dos Estúdios Vera Cruz é cancelado

Empresa responsável pelas obras não cumpriu acordo firmado em 2015. Além dos estúdios, as atividades da escola pública de cinema também foram suspensas

Fundada em 1949, a Companhia Cinematográfica Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, foi um modelo de profissionalização para a produção cinematográfica brasileira. Esteve à frente de quarenta filmes, entre eles, títulos memoráveis como Tico-Tico no Fubá (1952) e O Cangaceiro (1953), além da telenovela Sinhá Moça (1953). Passaram por ali artistas como Mazzaropi, Paulo Autran e Tônia Carrero, além dos diretores Lima Barreto e Ugo Lombardi, até seu fechamento, em 1975.

Veja também

Este ano, o local completa 63 anos em desuso quase total. À exceção de poucas cenas de Carandiru (2003) e Lula, o Filho do Brasil (2010), os estúdios não servem de pano de fundo para longa-metragens desde 1954.

A situação parecia mudar quando, em 2015, a prefeitura de São Bernardo do Campo anunciou que havia firmado um contrato com a companhia Telem (Técnica Eletro Mecânica) para reativar os lendários estúdios. Segundo o edital, a empresa teria direito à concessão pelos próximos trinta anos e deveria investir no local 156 milhões de reais ao longo de cinco anos.

O projeto apresentado à Secretaria de Educação e Cultura previa a instalação de sete estúdios, salas de produção, auditório, cinema e estacionamento, além do Memorial da Companhia Vera Cruz. 

As obras de revitalização deveriam ter começado em agosto de 2015 mas, até agora, o local continua de portas fechadas, sem nenhum indício de reforma.

 

Galpões dos estúdios Vera Cruz: sem atividade desde 1954

Galpões dos estúdios Vera Cruz: sem atividade desde 1954 (Mariana Gonzalez/Veja SP)

O não-cumprimento do acordo fez com que a Procuradoria Geral de São Bernardo do Campo sugerisse à prefeitura rescindir o contrato com a Telem no último dia 15. Por lei, a empresa tem dez dias úteis para preparar a defesa.

“Vencido esse prazo, abriremos um chamamento público para emissoras de televisão e distribuidoras de filme assumirem a direção dos estúdios”, prometeu o prefeito Orlando Morando em entrevista a VEJA São Paulo. “Essa concessão foi nociva para a cidade”, completou ele.

Veja também

Nos últimos anos, os galpões cinematográficos estavam sendo utilizados pela Telem como pavilhões para feiras, eventos comerciais e até festivais de música sertaneja. “Isso descaracteriza completamente o espaço, que tem muito valor histórico para o ABC Paulista”, criticou o prefeito.

Procurada, a Telem disse que prefere não se manifestar sobre o assunto.

As gravações do longa Tico-Tico no Fubá: clássico do cinema brasileiro

As gravações do longa Tico-Tico no Fubá: clássico do cinema brasileiro (Arquivo Companhia Cinematográfica Vera Cruz/Divulgação)

Escola em crise: aulas paralisadas e professores demitidos

Além da revitalização dos estúdios Vera Cruz, a Telem assumiu em 2015 a responsabilidade de gerir o Centro Audiovisual (CAV), uma escola profissionalizante de cinema, televisão e animação gratuita, que deveria ser instalada no complexo.

“Quando soubemos que a escola seria anexada aos estúdios, comemoramos muito”, comenta Mariana França, ex-aluna do CAV. “É um custo alto gerir uma escola de cinema. Pensamos que, com recursos particulares, teríamos uma infraestrutura melhor do que a prefeitura conseguia oferecer àquela altura”.

Naquele ano, os professores – contratados como pessoas jurídicas – começaram a ter salários atrasados. Apesar de algumas greves e tentativas de negociação, a situação seguiu até o início de março desde ano, quando a empresa reuniu os vinte docentes e funcionários do CAV para comunicar a demissão coletiva.

O Centro Audiovisual: mais de 700 alunos desde 2012

O Centro Audiovisual: mais de 700 alunos desde 2012 (Mariana Gonzalez/Veja SP)

O processo seletivo – programado para acontecer no dia 11 de fevereiro, com mais de 1 000 inscritos – foi cancelado, e as aulas estão paralisadas.

O prefeito Orlando Morando garantiu que os alunos voltarão às salas de aula dentro de sessenta dias. A partir da rescisão oficial do contrato com a Telem, o CAV passa a ser gerido pela Secretaria de Educação e Cultura, que fará a recontratação dos antigos professores e, se necessário, de novos profissionais. “Os salários atrasados, no entanto, são responsabilidade da Telem. A prefeitura não tem como assumir uma dívida que não é nossa”, disse ele.

Veja também

Com a mudança nos planos, o Centro Audiovisual continua instalado no Centro de Formação dos Profissionais da Educação Ruth Cardoso (Cenforpe), onde está desde a inauguração, em 2012. 

Propriedade da Secretaria de Educação e Cultura, o prédio tem rachaduras aparentes e buracos no gesso. Alguns estudantes denunciaram, inclusive, que algumas salas estão interditadas devido a infiltrações. 

Questionada, a prefeitura negou os problemas na estrutura e garantiu que o local está em “perfeitas condições” e disse que, em dezembro, a escola passou por reformas custeadas pela Secretaria de Educação e Cultura.

Placa indicativa do Cenforpe, sede do Centro Audiovisual desde a abertura

Placa indicativa do Cenforpe, sede do Centro Audiovisual desde a abertura (Mariana Gonzalez/Veja SP)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s