Continua após publicidade

“26 negros que estão a meu lado ficarão sem emprego”, diz vereador que pode ser cassado por racismo

Camilo Cristófaro (Avante) é alvo de processo na Corregedoria da Câmara Municipal; vereadores decidem na quinta se aprovam relatório

Por Clayton Freitas
Atualizado em 22 ago 2023, 12h19 - Publicado em 22 ago 2023, 12h04

Alvo de processo na Corregedoria da Câmara Municipal por ter usado a expressão “É coisa de preto” durante uma sessão híbrida da CPI dos aplicativos realizada no dia 3 de maio de 2022, o vereador Camilo Cristófaro (Avante) disse à Vejinha “só fazer o bem” e melhorar a vida das pessoas. Procurado para comentar o relatório produzido na segunda-feira (21) por seu colega na Câmara, o também vereador Marlon Luz (MDB), que indiciou pela sua cassação, ele afirmou que vários negros que estão ao seu lado ficarão sem emprego. “Isso a imprensa não dá. Que 26 negros que estão a meu lado ficarão sem emprego. Que pela primeira vez em 470 anos um negro é subprefeito do Ipiranga”, escreveu, em mensagem à reportagem.

Essa não é a primeira vez que ele usa uma fala racista para se defender da acusação de racismo. Em novembro de 2022, ele já havia dito que 70% das pessoas que trabalhavam em seu gabinete eram negras.

+MP pede arquivamento de ação contra ex-aluna acusada de desviar 62 mil 

A base eleitoral de Camilinho é o bairro da Zona Sul e ele tem grande influência sobre a regional. Sempre polêmico, a fala proferida em um áudio vazado foi captada pelos microfones da Câmara Municipal e causou indignação geral, inclusive do presidente da Casa, Milton Leite (União Brasil). “Varrendo e lavando a calçada (…) é coisa de preto, né?”.  Relembre a fala do vereador abaixo.

Dias depois de proferir a frase, o seu então partido, o PSB, o desfiliou e ele virou alvo de processo disciplinar na Câmara. Em 5 de junho, a vereadora Luana Alves (PSOL) fez uma denúncia à Polícia Civil e ele foi indiciado no dia 21 daquele mesmo mês. Levado à Justiça, ele foi inocentado em decisão de julho deste ano do juiz Fábio Aguiar Munhoz. O magistrado alegou que a frase havia sido retirada do contexto de “brincadeira, de pilhéria, mas nunca de um contexto de segregação, de discriminação ou coisa que o valha”, escreveu na decisão.

Continua após a publicidade

“Uma história de 44 anos de vida pública inatacável. Fui absolvido criminalmente”, disse Camilinho.

Segundo ele, até as 17h desta segunda-feira o relatório indicaria a sua absolvição. “’Às 18h virou pela cassação”, disse. “A casa inteira está a meu favor”, afirmou. Segundo ele, o vereador Alessandro Guedes (PT) renunciou à corregedoria ao saber que a decisão havia mudado.  Camilinho afirmou que seria “tranquilamente 4 a 2 pela absolvição”. Luz e Guedes foram procurados para comentar o assunto por intermédio de suas assessorias de imprensa.

+Polícia Civil investiga morte de jovem indígena na zona norte

O relatório favorável à cassação de Camilinho deverá ser votado na quinta-feira (24) na própria Corregedoria. Se aprovado, ainda depende de análise do plenário da Câmara, o que deve ocorrer apenas no dia 29 de agosto. O vereador do Avante só perderá o cargo se essa for a decisão da maioria absoluta dos 55 vereadores (37 votos ou mais).

O relatório

Continua após a publicidade

Luz escreveu em seu relatório que a fala de Camilinho “evidencia que seu comportamento consiste em manifestar a crença de que existem seres humanos superiores a outros”. O relator também criticou a conexão entre trabalho manual deficiente e a população negra feita pelo vereador. “Ao estabelecer uma conexão entre um trabalho manual deficiente e a população negra, o vereador Camilo Cristófaro reforçou a percepção socialmente abominável de que as pessoas negras são necessariamente encarregadas de executar trabalhos manuais e que sua suposta ineficiência está relacionada à sua etnia, o que, por si só, já caracterizaria uma quebra de decoro parlamentar”.

Ele afirmou que a atitude de Camilinho “prejudica a imagem da Câmara Municipal como instituição”. “A representação política é uma das bases da democracia, e quando um parlamentar se manifesta com uma fala tão draconiana que levanta questionamentos sobre sua capacidade de representar todos os cidadãos, independentemente de sua origem étnica”, escreveu.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.