Para evitar desperdícios, cenógrafa Lu Bueno cria Banco de Tecido

A ideia é que as marcas levem os 'restos' e depositem por ali, gerando um crédito em quilos

Segundo estudo recente da consultoria McKinsey, a indústria da moda no mundo desperdiça um caminhão de tecidos por segundo. Assustada com os dados, a cenógrafa Lu Bueno, 49, criou, em 2015, o Banco de Tecido. Desde então, conquistou clientes — de costureiras a marcas famosas — que buscam uma produção sustentável, como a Farm. O negócio funciona assim: pessoas e empresas procuram o galpão na Vila Leopoldina, pesam seus panos e ali os depositam, gerando um crédito em quilos. O banco fica com 30% da conta de cada uma dessas trocas. Também é possível comprar as mercadorias por 55 reais o quilo. Até setembro, Lu pretende lançar um e-commerce. “É uma estupidez não reutilizar esse material”, acredita a profissional, que deverá faturar 450 000 reais neste ano.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 31 de julho de 2019, edição nº 2645.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s