Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Para evitar desperdícios, cenógrafa Lu Bueno cria Banco de Tecido

A ideia é que as marcas levem os 'restos' e depositem por ali, gerando um crédito em quilos

Por Ana Carolina Soares Atualizado em 29 jul 2019, 16h04 - Publicado em 26 jul 2019, 06h00

Segundo estudo recente da consultoria McKinsey, a indústria da moda no mundo desperdiça um caminhão de tecidos por segundo. Assustada com os dados, a cenógrafa Lu Bueno, 49, criou, em 2015, o Banco de Tecido. Desde então, conquistou clientes — de costureiras a marcas famosas — que buscam uma produção sustentável, como a Farm. O negócio funciona assim: pessoas e empresas procuram o galpão na Vila Leopoldina, pesam seus panos e ali os depositam, gerando um crédito em quilos. O banco fica com 30% da conta de cada uma dessas trocas. Também é possível comprar as mercadorias por 55 reais o quilo. Até setembro, Lu pretende lançar um e-commerce. “É uma estupidez não reutilizar esse material”, acredita a profissional, que deverá faturar 450 000 reais neste ano.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 31 de julho de 2019, edição nº 2645.

Publicidade