Clique e assine por apenas 5,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Giselle Itié relata parto do filho e prepara programa sobre maternidade

Atriz que deu à luz na segunda (2) planeja um talk-show para estrear ainda neste ano sobre a gestação e seus mitos

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 13 mar 2020, 11h53 - Publicado em 13 mar 2020, 06h00

“Minha gravidez não foi planejada e, quando comecei a pesquisar, percebi quanto não tinha noção sobre o que acontece no nascimento de uma criança”, diz Giselle Itié, 37, que na segunda-feira (2) deu à luz Pedro Luna, seu primeiro filho com o ator Guilherme Winter, 40. A atriz e apresentadora fez um curso sobre parto natural e se espantou com processos adotados por boa parte dos médicos. Entre eles, o uso de anestesia, que influencia na liberação da ocitocina, o hormônio responsável pelas contrações e também pelas sensações de prazer e afeto. “Nada contra a mulher que opta por cesariana, mas muitas não têm consciência dessa violência”, acredita a atriz, que aguentou firme e forte sete horas de trabalho de parto, sem remédios.

“Foi tudo exatamente como imaginei. Só com mais intensidade e necessidade de força, mas o amor estando acima de qualquer sacrifício”, lembra a atriz, que sempre planejou ter seu filho em casa, com parteiras. Agora, entre uma mamada e outra em seu apartamento em Higienópolis, ela gera um projeto sobre a experiência: um talk-show de nove episódios com especialistas em gravidez. “Gostaria de colocá-lo no ar ainda neste ano, se Pedro Luna deixar”, diz a mamãe, que ainda não quer mostrar o rostinho do menino.

No Instagram, a “mamãe de primeira viagem” também relatou alguns momentos emocionantes:

View this post on Instagram

nesta semana ouvi uma frase: “você me parece uma pessoa brava. De braveza mesmo, sabe?” na hora me senti estranha. Como assim brava? mas com muita elegância respondi. Vou buscar esta braveza que você vê em mim, e por acaso ela existir, vou acolher-la. passei um dia pensando sobre ser brava. quando concluí, que eu não sou uma pessoa brava. eu sou uma mulher muito brava. mulher selvagem brava. Brava! Brava! Brava! capaz de desbravar novas matas para alcançar paz não só para mim, mas principalmente para nós dois. Pedro Luna e eu. descobrí a minha braveza por estar cansada de encontrar pessoas que cansam. por estar cansada de abrir espaço para pessoas que jorram seus medos feito vírus. Brava não! Muito Brava! Selvagem, extremamente selvagem. Mulher que corre com os Lobos, talvez? Brava! hoje estou grata por essa pessoa ter visto a braveza em mim. a coragem de ser uma selvagem extremamente valente. essa sou eu. nua e crua. transparente e sempre preparada para alçar novos voos. não mordo sou dócil (até demais) e se for preciso brava como sou, demonstro minha dor como uma boa diplomata e corro como uma boa selvagem, por matas desconhecidas atrás do melhor para nós dois. porque tudo que a gente precisa é de AMOR. Ps: eis o que gestar, parir e maternar faz por você. Imagem: eu cafungando a minha cria, tão minha.

A post shared by GiseLLe ItiÉ (@gitie) on

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

exatamente uma semana atrás estava eu, me debatendo pelas paredes da minha casa e realizando o quanto os pródromos não estavam mais para brincadeira. Pródromos? Gigi meu bem, não é bem assim. Tu acredita mesmo!? Desde as 2horas da manhã até agora? Pródromos mais agressivos? As 9horas As 12horas ou 13horas (no lo sé, pois já estava totalmente inserida na partolandia) quando chegam minhas parteiras, doula e minha irmã fodarastica! Sim. Passei 7 horas dilatando. (acredito eu) Estava eu com 9 e meio, e nem eu e minha mãe percebemos que o nosso pequeno Pedro Luna estava chegando pra ficar… estou aqui lembrando um tanto do meu parto e falando pra mim mesma Caspeta! Giselle, tu é foda mesmo! Caspeta! Mayella, tu é foda mesmo! Caspeta! Sandra, tu é foda mesmo! Caspeta! Minha equipe de mulheres fodarasticas, obrigada por me acolherem! Nós mulheres somos tão potentes tão incríveis tão absolutas Somos tanto mas TANTO! Quanto mais unidas mais seremos nossas. E ninguém vai tentar mudar o nosso verdadeiro caminho. Hermana @ma_itie TE AMO! Sei o quanto louco, difícil e mágico foi ter vivido (sem ter combinado) a partolandia comigo. Tudo foi mágico, intenso e um belo roteiro de um filme… GRACIAS. Parir é Resistir! #8m2020 PS: NINGUÉM tem o direito de dizer que você não está apta para Parir. Ninguém!

A post shared by GiseLLe ItiÉ (@gitie) on

View this post on Instagram

amar leitar sangrar e porque não as vezes chorar desaguando estou filho meu Lunito mío choro ao descansar meus olhos nos seus sentir cada respiração, sorrisos… ô se choro me deságuo em amor Dios Mio! esse pequenín estava dentro de mim. estava? fico um pouco longe de você e já sinto que falta o meu órgão mais precioso mí amor de mis amores sabemos que passamos por muitas para estarmos aqui. mas nada mais importa quando sinto sua pele na minha. Así lo és acolher o sangrar leitar chorar desaguando de AMOR estou. #puerperio #maternidadereal

A post shared by GiseLLe ItiÉ (@gitie) on

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 18 de março de 2020, edição nº 2678.

Continua após a publicidade
Publicidade