A história do Edifício Matarazzo, coberto de mármore e com bosque suspenso

Seu projeto original do escritório Severo Villares foi adaptado pelo arquiteto preferido de Mussolini, o italiano Marcello Piacentini

Muito antes da bem-vinda moda dos telhados verdes, o Edifício Matarazzo começou a ganhar seu bosque suspenso ainda nos anos 60, graças ao trabalho do jardineiro Walter Galera. Inaugurado em 1939, como sede administrativa das Indústrias Reunidas Matarazzo, o prédio é todo revestido de mármore travertino. O projeto original do escritório Severo Villares foi adaptado pelo arquiteto preferido de Mussolini, o italiano Marcello Piacentini, que esteve no Brasil convidado pela ditadura Vargas e caiu nas graças da poderosa família italiana. Na década de 70, com a decadência do clã, o endereço mudou de dono até tornar-se propriedade do Banco do Estado de São Paulo (Banespa). Foi nessa época que recebeu o apelido de Banespinha. Em 2003, o banco repassou a construção para a prefeitura, que no ano seguinte instalou sua sede por ali, onde permanece até hoje.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 22 de maio de 2019, edição nº 2635.
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s