Clique e assine por apenas 5,90/mês
Blog do Miguel Por Miguel Barbieri Jr. Fique por dentro das melhores dicas de filmes e séries.

As mudanças que ocorreram nos cinemas (e em mim) nos últimos 21 anos

Integrante mais antigo da redação de VEJA São Paulo, o crítico Miguel Barbieri Jr. reflete sobre sua trajetória profissional nas últimas duas décadas

Por Miguel Barbieri - Atualizado em 25 set 2020, 02h11 - Publicado em 25 set 2020, 06h00

Em janeiro do ano que vem, completo 21 anos ininterruptos em VEJA SÃO PAULO, sendo, assim, a pessoa mais antiga da redação. Mas antiga não significa ultrapassada. Aprendi, ao longo de duas décadas, que renovar é preciso. Quando entrei na Vejinha, a internet estava em polvorosa. Enquanto colegas migravam para o digital, eu dava meus primeiros passos num prestigioso veículo impresso semanal. Foram difíceis os primeiros anos, sobretudo para conquistar a confiança dos editores. Mas quanto mais eu assistia aos filmes e escrevia, mais autonomia conquistava.

Em maio de 2003, fiz uma reportagem de capa. Com um júri de especialistas, entre eles os apresentadores Cunha Júnior e Marina Person e o saudoso crítico Rubens Ewald Filho (um mestre!), escolhemos os melhores cinemas da cidade. As novidades no circuito eram poucas comparadas às de hoje, e o Arteplex (hoje Espaço Itaú) do Shopping Frei Caneca acabou sendo o grande premiado. Votaria, novamente, no Frei Caneca, mas como programação, certamente ainda a mais plural da cidade. Nos outros quesitos, porém, assistimos a uma revolução de lá para cá. O Reserva Cultural, especializado em filmes de arte e autorais, foi aberto em 2005 e a Cinemark do Shopping Cidade Jardim inaugurou as primeiras salas vip paulistanas, em 2008. Um ano depois, Avatar impulsionou o aumento das salas 3D e a primeira sala Imax, no Bourbon Shopping, ganhou espaço. Vimos também a chegada das redes Cinépolis e Cinesystem.

Para conquistar um público que estava plugado nos canais por assinatura, foi necessária uma renovação. O mesmo ocorria comigo. Confesso que relutei em ter um blog, mas, a partir do momento em que percebi uma resposta imediata do leitor (algo que nunca havia ocorrido na revista), a adrenalina bateu e, com ela, veio o vício de acompanhar a crescente audiência.

As ferramentas digitais me incentivaram a gostar ainda mais do que faço. Em 2015, eu e o Tiago Faria, hoje editor do site de VEJA, fizemos a primeira transmissão pelo Periscope. Falava ao vivo sobre as estreias nos cinemas e respondia às perguntas dos usuários do app. Eu tinha um bordão para a live: “Aqui não é televisão, é interação”. Ao longo desses cinco anos, me mantive firme, sempre às quintas, às 19h, só que agora no Instagram.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90 

Bete Coelho, Rubens Ewald Filho, Cunha Júnior e Marina Person: os jurados que escolheram os melhores cinemas em reportagem de capa, em 2003 Veja São Paulo/Veja SP

Para concretizar um sonho de adolescente (de ter um cinema só para mim!), criei a Sessão Vejinha, em 2014. São sessões de pré-estreias que faço em parceria com a Cinemark. É quando consigo ter um contato presencial com meus seguidores e com aqueles que curtem o meu trabalho. E é muito gratificante!

Embora o cinema seja uma paixão e uma experiência coletiva de que não abro mão, é impossível negar que ver filmes no streaming já não é uma tendência — é a realidade, confirmada com estrondoso sucesso na pandemia. A seção Para Ver em Casa, no roteiro de filmes, ganhou mais espaço. Na quarentena, com as salas fechadas desde março, meu trabalho se voltou a indicar filmes e séries em plataformas como Netflix e Amazon Prime Video. Opções não faltam, o que falta é curadoria, algo que, modéstia à parte, eu faço bem. Talvez seja o feeling adquirido como dono de videolocadora por doze anos.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90 

Entre 1986 e 1998, vi muitos filmes no finado VHS e atendi centenas de clientes. Alguns já chegavam pedindo “qualquer lançamento”, outros escolhiam pela capinha, mas a maioria confiava na minha sugestão. E eu sabia exatamente o que indicar. Escuto gente reclamando que a Netflix “só tem velharia” ou que a pessoa demora tanto para escolher algo que vai dormir sem ver nada.

Ao contrário do consultor presencial de videolocadora, a Netflix trabalha com algoritmo. Se você vê uma série sul-coreana e avalia como positiva, vão surgir várias produções da Coreia do Sul na sua página. E aí é que entra o meu “garimpo” de, semanalmente, vasculhar os acervos dos canais de streaming para bolar listas descoladas, com filmes que têm “problemáticas relações familiares”, “adolescentes desajustados” ou “terror em vários países”.

Nos últimos seis meses, já dei cerca de 500 dicas na revista, que acabaram se desdobrando em mais conteúdo no blog e na minha newsletter. Em 28 anos no exercício da profissão, trabalhei fixo em apenas três veículos. Passei mais tempo na Vejinha do que nos três apartamentos que morei nesse período. Vi amigos pedirem demissão, outros serem demitidos. E eu fiquei. Deve existir algum motivo para isso.

35 ANOS DE VEJINHA

confira as reportagens do especial de aniversário:

Continua após a publicidade

De volta ao Jardins: área mais quente de SP foi tema de estreia na Vejinha

Mais famoso pelo apelido, o Jardim Paulista marcou a primeira edição de Veja São Paulo com a posição (inalterada) de point do agito e sofisticação

O Rei do Camarote: relembre a polêmica capa da Vejinha em 2013

Champanhe, “babá de Ferrari”, memes e prêmio do YouTube: sete anos depois, veja os detalhes da apuração da matéria

Como estão os campeões da Fuvest destacados pela Vejinha em 1993

O candidato de odontologia Fábio Nogi, 47, deixou as clínicas de lado e migrou para a área corporativa da odontologia

Como estão os “partidões” que estrelaram a capa da Vejinha em 1993

Hoje, revista seria “cancelada” (com razão) se publicasse a reportagem, mas o texto revela o espírito da época em São Paulo

As mudanças que ocorreram nos cinemas (e em mim) nos últimos 21 anos

Membro mais antigo da redação de VEJA São Paulo, o crítico Miguel Barbieri Jr. reflete sobre sua trajetória profissional nas últimas duas décadas

As transformações na profissão de Chef em São Paulo

Como observador privilegiado, Arnaldo Lorençato acompanhou a revolução na gastronomia paulistana e viu a profissão de cozinheiro ganhar nobreza

Publicado em VEJA São Paulo de 30 de setembro de 2020, edição nº 2706.

Continua após a publicidade
Publicidade