Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Mostra resgata vídeos de Rafael França, integrante do 3NÓS3

Grupo artístico fez intervenções na cidade de São Paulo no fim dos anos 70 como nas avenidas Paulista e Doutor Arnaldo

Por Tatiane de Assis Atualizado em 21 Maio 2021, 17h10 - Publicado em 21 Maio 2021, 06h00

Depois de trinta anos de sua morte, o nome do artista plástico Rafael França (1957-1991) continua a ressoar. “Ele produziu obras em vídeo, mas se distanciou das experiências no cinema e na televisão. Quis criar outra via. A falta de sincronia entre imagens e sons, presente em seus trabalhos, sinaliza seu desejo de quebrar com a ideia de continuidade”, pontua a gaúcha Veronica Stigger, curadora da exposição, que traz dez dos vídeos produzidos por ele, entre 1982 e 1991.

Chamada Rafael França: Réquiem e Vertigem, a mostra tem inauguração prevista para o sábado (22) e marca também os dez anos da galeria Jaqueline Martins, onde foi montada. O início do trajeto, que se desenrola em dois pisos, parte de Prelúdio de Uma Morte Anunciada (1991), trabalho com cinco minutos de duração, de caráter autobiográfico, característica recorrente na produção do artista.

A imagem é uma foto na altura da barriga de um homem. No frame é possível ver a mão dele segurando a mão de outra pessoa com um relógio no seu pulso.
Frame da obra Prelúdio de Uma Morte Anunciada (1991) Galeria Jaqueline Martins/Divulgação

“Ele fez essa obra poucos meses antes de morrer, junto com seu companheiro Geraldo Rivello, trocando carícias delicadas. Não se vê o corpo dos dois por inteiro, mas partes. Aos poucos, vão surgindo nomes de amigos que, assim como Rafael, também foram vítimas da aids”, descreve a curadora, que, na exposição, promove diálogos entre a produção do artista e de outros nomes, também importantes, como Leonilson (1957-1993), Hudinilson Jr. (1957-2013) e Mário Ramiro.

Com os dois últimos, Rafael criou, no fim dos anos 70, o grupo 3NÓS3, que ganharia um livro, publicado pela editora Ubu em 2017, e ficaria gravado na história da arte brasileira por intervenções ousadas e irreverentes, como a cobertura parcial das pistas de trânsito do túnel de ligação entre as avenidas Paulista e Doutor Arnaldo com uma faixa de plástico com mais de 100 metros de comprimento. “Eles também cobriram a cabeça de monumentos da cidade com sacos”, recorda o irmão de Rafael, o escultor Hugo França, de 66 anos, conhecido pela produção de mobiliário por meio da reutilização de madeiras e árvores que caíram naturalmente pela ação do tempo.

Imagem mostra intervenções artísticas em um túnel da Avenida Paulista com panos grandes e extensos
Intervenção no túnel da Avenida Paulista, no livro sobre o grupo 3NÓS3, da editora UBU UBU editora/Divulgação

Rafael conciliava essa verve questionadora, sobre o circuito de arte e a paisagem paulistana, com uma personalidade metódica. “Ele era bastante certinho. Via a arte de maneira mais profissional. Não se encaixava no estereótipo do artista largadão”, descreve Hugo.

A imagem mostra uma estátua de uma mulher nua com saco em sua cabeça.
Estátua com saco na cabeça: uma das intervenções do 3NÓS3 Acervo Mario Ramiro/ Galeria Jaqueline Martins/Divulgação

 

A imagem mostra Rafael usando uma câmera, com um olho nela e outro fora.
Rafael França em ação: vídeos experimentais, sem sincronia entre imagem e som Galeria Jaqueline Martins/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 26 de maio de 2021, edição nº 2739

Continua após a publicidade
Publicidade