Clique e assine por apenas 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Dez perfumes usados nas baladas de antigamente

Hits perfumados das pistas de dança das décadas passadas

Por Roosevelt Garcia - 8 fev 2018, 12h50

Quem ia pra balada desde os tempos da disco music, passando pelo new wave dos anos 80 e chegando nos flash-house dos anos 90, tinha poucas opções de perfumes que poderia usar. A variedade de fragrâncias disponíveis no país não era tão farta como hoje em dia, e as poucas marcas que disputavam o mercado viraram hits na noite paulistana.

Relembre alguns dos perfumes mais usados dos anos 70 aos 90. Alguns deles se firmaram no mercado e se mantém até hoje, outros simplesmente foram esquecidos.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Styletto, do Boticário

Lançado em 1985, foi a primeira colônia masculina da marca, com toques de patchouli e musgo de carvalho. Ainda pode ser encontrado hoje em dia.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Rastro

Lançado em 1965, foi criado pelo estilista e artista plástico Aparício Basílio da Silva, dono da boutique Rastro na Rua Augusta desde 1956. O perfume teve seu auge nos anos 70 e 80.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Opium, de Yves Saint Laurent

Versão masculina e feminina, foi lançado em 1977. De inspiração oriental, o perfume causou até processos no mundo todo por conta de seu nome, que poderia fazer apologia ao uso de drogas. Continua no mercado até hoje.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Toque de Amor, da Avon

Colônia feminina lançada em 1977, já saiu de linha diversas vezes, mas sempre acaba voltando, inclusive com outros produtos, como creme e desodorante, com a mesma fragrância que é sucesso entre as mulheres há 40 anos.

Continua após a publicidade
Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Wild Musk, de Coty

Lançado em 1972, ele foi sucesso indiscutível nos anos 70 e 80. Diziam que sua fragrância era extraída da glândula de um animal ainda vivo, e em 1994 houve reformulação na matéria prima, para que isso não fosse mais feito.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Tarot, da Natura

Perfume feminino lançado em 1985, facilmente confundido com um perfume masculino, por conta de suas notas de bergamota, noz-moscada e limão, geralmente presentes em perfumes para os homens.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Giovanna Baby

Perfume adocicado que agradou principalmente meninas adolescentes dos anos 80. Tinha notas de alecrim, gerânio, rosa e lavanda.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Azzaro Pour Homme

Perfume masculino lançado em 1978, de toque amadeirado, ainda é um dos mais vendidos até hoje.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Sr N, da Natura

Lançado em 1981, é um perfume masculino cítrico de forte apelo, que se tornou um clássico assim que foi lançado.

Continua após a publicidade
Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
  • Ma Griffe, da Carven

Já bastante antigo no mercado internacional (é de 1946), o perfume feminino Ma Griffe viu seu auge no Brasil a partir dos anos 70. É inspirado nas flores favoritas da Madame Carven, gardênia, jasmin e rosa.

Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade