“Chorume” tira algum luxo do lixo

Vinicius Calderoni escreveu e dirige a comédia que apresenta dezesseis cenas sobre o descartável em seus múltiplos significados

Com a comédia Chorume, o dramaturgo e encenador Vinicius Calderoni encerra a trilogia Placas Tectônicas. O começo de tudo foi o surpreendente Não Nem Nada (2014), dirigida ao lado de Rafael Gomes, e o conjunto teve sequencia em Ãrrã (2015), valorizada pelos atores Luciana Paes e Thiago Amaral. O novo trabalho segue a bem-sucedida fórmula. Os atores Fabrício Licursi, Geraldo Rodrigues, Guilherme Magon, Julia Corrêa, Mayara Constantino, Paulo Vinicius e Renata Gaspar revezam- se em dezenas de personagens nos jogos teatralizados através do texto ágil, picotado e criativo de Calderoni. Em comum, as dezesseis cenas giram em torno do lixo, do descartável em seus múltiplos significados, coisas desprezíveis do dia a dia. Os descasos sociais, os exageros em nome do politicamente correto e sátiras aos programas televisivos originam divertidas situações.

Em uma das melhores histórias, Rodrigues e Mayara representam dois amigos que se reencontram depois de algum tempo. Falam dos filhos e combinam um jantar com os respectivos parceiros. Até que uma pergunta gera um mal-entendido próximo ao universo de Franz Kafka, e os dois acabam nos tribunais. Em outro esquete, Renata brilha em um solo ao descrever um velho conhecido. Trata-se de um depoimento típico aos vistos nas atrações dominicais da TV em que são reveladas intimidades, e o homenageado é ovacionado em rede nacional.

Crônicas contemporâneas, várias delas absurdas, as peças têm uma urgência semelhante a das redes sociais e obriga a plateia a permanecer conectada o tempo inteiro. O elenco versátil conduz bem as múltiplas transformações. Se, por vezes, falta uma mão mais firme de Calderoni na direção, principalmente na elaboração das cenas, os textos se sobrepõem à estética e reforçam o poder da palavra (90min). 14 anos. Estreou em 1º/7/2017.

+ Teatro do Sesc Bom Retiro. Alameda Nothmann, 185, Campos Elíseos. Sexta e sábado, 21h; domingo, 18h. R$ 30,00. Até 13 de agosto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s