Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Últimas de São Paulo Por Blog Notícias quentes e bastidores da cidade

Os 6 fatos que mais marcaram os atos de 13 de março

13 de março de 2016 em São Paulo ficará marcado como a data do maior ato político do país, superando até o movimento das Diretas Já. Marcado para as 15h, o protesto contra a corrupção e em defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff já tinha milhares de pessoas na Avenida Paulista de ponta a ponta desde […]

Por Helena Galante Atualizado em 26 fev 2017, 12h53 - Publicado em 13 mar 2016, 21h38

13 de março de 2016 em São Paulo ficará marcado como a data do maior ato político do país, superando até o movimento das Diretas Já. Marcado para as 15h, o protesto contra a corrupção e em defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff já tinha milhares de pessoas na Avenida Paulista de ponta a ponta desde às 11h.

+ Quinze imagens marcantes da manifestação de 13 de março

Avenida Paulista: 500.000 pessoas, segundo o Datafolha (Foto: Leo Pinheiro/Veja)

Avenida Paulista: 500.000 pessoas, segundo o Datafolha (Foto: Leo Pinheiro/Veja)

1. Número de participantes

Por volta das 16h, quando o ato atingiu seu auge, a estimativa do Datafolha era de 500 000 pessoas reunidas. Nos protestos de março do ano passado, o instituto indicava a reunião de 210.000 pessoas.

Avenida Paulista: vista do alto de um prédio na altura da rua Peixoto Gomide (Foto: Alexandre Nobeschi)

Avenida Paulista: vista do alto de um prédio na altura da rua Peixoto Gomide (Foto: Alexandre Nobeschi)

Segundo o movimento Vem Pra Rua, um dos organizadores do evento, 2,5 milhões de pessoas estiveram na Paulista. O cálculo da Polícia Militar estima 1,4 milhão de participantes.

2. Adesão de celebridades de primeiro escalão

Em meio a faixas e cantorias nos protestos, chamou a atenção a presença de famosos. Entre os que foram às ruas em São Paulo e no Rio de Janeiro estão o chef Henrique Fogaça, jurado do MasterChef, mais os atores Tiago Abravanel, Luana Piovani, Juliana Knust, Márcio Garcia, Malvino Salvador e Juliana Paes.

Juliana Paes: presença na manifestação no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/Instagram)

Juliana Paes: presença na manifestação no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/Instagram)

Outras celebridades de primeiro escalão usaram as redes sociais para fazer manifestações políticas. Foi o caso do chef Alex Atala, do ator Caio Blat e a empresária Lala Rudge.

3. O protesto dos bonecos

Bonecos e objetos que fazem alusão aos políticos e envolvidos na operação Lava-Jato estavam entre os mais exibidos pelos manifestantes. O personagem favorito é Newton Ishii, intitulado popularmente como “japonês da federal”. Em Maceió, manifestantes criaram o boneco “jararaco”, com cabeça de Lula e corpo de cobra.

Lula Pixuleco e Dilbandida: dois clássicos da manifestação antiPT (Foto: Alecsandra Zapparoli)

Lula Pixuleco e Dilbandida: dois clássicos da manifestação antiPT (Foto: Alecsandra Zapparoli)

É um referência ao discurso do ex-presidente do qual ele disse, por ocasião da condução coercitiva, que, se queriam matar a jararaca, acertaram o rabo e não pisaram na cabeça.

Em Maceió: manifestantes criaram o boneco “jararaco”, com cabeça de Lula e corpo de cobra (Foto: Reprodução/Facebook)

Em Maceió: manifestantes criaram o boneco “jararaco”, com cabeça de Lula e corpo de cobra (Foto: Reprodução/Facebook)

Um mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika vírus, também apareceu na Avenida Paulista com o rosto da presidente Dilma. Lula Pixuleco e Dilbandida, dois clássicos das manifestações antiPT, também estavam lá, claro.

4. Opositores vaiados

Marta Suplicy deu entrevista em frente à FIESP e foi hostilizada. Foram ouvidos gritos de ‘fora PT’ e ‘minha bandeira nunca será vermelha’, apesar da candidata não fazer mais parte do partido e ser filiada ao PMDB/SP. Um segurança da FIESP informou que ela saiu escoltada.

Continua após a publicidade

+ Marta Suplicy é hostilizada em protesto

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador Aécio Neves, ambos do PSDB, foram hostilizados neste domingo ao chegar à manifestação contra o governo Dilma Rousseff na Avenida Paulista.

Aécio Neves: foto ao lado de Geraldo Alckmin e outros partidários do PSDB (Foto: Reprodução/Twitter)

Aécio Neves: foto ao lado de Geraldo Alckmin e outros partidários do PSDB (Foto: Reprodução/Twitter)

Algumas pessoas gritaram “oportunista”, enquanto eles passavam em meio à multidão. A dupla tucana chegou ao protesto de van, saída do Palácio dos Bandeirantes, e discursaria no carro do Movimento Brasil Livre (MBL). Dada a reação dos manifestantes, os dois acabaram desistindo da ideia e permanecendo na ala vip do MBL.

5. Juiz Sérgio Moro aplaudido

Cartazes, faixas e gritos elogiavam o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela condução da Operação Lava-Jato.

Eva Farah decidiu protestar pedindo o juiz federal Sérgio Moro em casamento e disse: “Sergio Moro é a referência do que um homem deveria ser nesse país” (Foto: Veja São Paulo)

Eva Farah decidiu protestar pedindo o juiz federal Sérgio Moro em casamento e disse: “Sergio Moro é a referência do que um homem deveria ser nesse país” (Foto: Veja São Paulo)

Em nota publicada após o fim das manifestações em todo o Brasil, ele pediu que as autoridades eleitas e os partidos ouçam a voz das ruas. “Se comprometam com o combate à corrupção, reforçando nossas instituições e cortando, sem exceção, na própria carne”

6. Mobilização em cidades palco de escândalos

No Guarujá, manifestantes se reuniram na porta do Edifício Solaris. Segundo as investigações da operação Lava Jato, fica ali o apartamento triplex que seria de Lula e teria sido reformado pela construtora OAS, envolvida no escândalo da Petrobrás.

Protesto no Guarujá: em frente ao Edifício Solaris, onde fica o apartamento triplex investigado na Lava-Jato (Foto: Reprodução/Instagram)

Protesto no Guarujá: em frente ao Edifício Solaris, onde fica o apartamento triplex investigado na Lava-Jato (Foto: Reprodução/Instagram)

Em Atibaia, na praça da matriz, a população protestou contra o governo e o ex-presidente Lula. A suspeita é de que pertença a ele um sítio de 17 hectares registrado em nome de Fernando Bittar, cujo pai foi prefeito de Campinas, e Jonas Leite Suassuna Filho, sócio de um dos filhos de Lula. Uma das evidências dá conta de que, durante seu mandato no Palácio do Planalto, Lula visitou dezenas de vezes o endereço, que teria sido reformado por empreiteiras ligadas à Operação Lava-Jato.

+ Cinco sósias do japonês da Federal

Prédio da Fiesp, entidade contrária à presidente Dilma Rousseff, ficou iluminado com a bandeira do Brasil (Foto: Veja São Paulo)

Prédio da Fiesp, entidade contrária à presidente Dilma Rousseff, ficou iluminado com a bandeira do Brasil (Foto: Veja São Paulo)

VEJA TAMBÉM:

+ Perfil de Jean Wyllys no Facebook é hackeado com foto de Bolsonaro

+ Ator global José de Abreu critica manifestantes deste domingo

+ Jornais internacionais repercutem manifestações

Continua após a publicidade

Publicidade