Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Certificação NFT impacta a comercialização digital de arte e música

A sigla permite que obras digitais tenham um selo comprobatório próprio e promete inovar no meio

Por Gabriela Amorim, Tatiane de Assis Atualizado em 24 jun 2021, 21h13 - Publicado em 25 jun 2021, 06h00

Se o mundo digital não é sua praia, tudo bem, vamos explicar uma novidade sem complicar muito. Quando você vai a um cartório reconhecer firma, o que faz é dizer que aquela assinatura é sua e de mais ninguém. Assim, consegue emitir selos que autentiquem sua participação em um contrato, por exemplo. Na internet, há algo semelhante com o NFT. Mas o que é isso? Primeiro, é uma sigla que, em português, significa token não fungível.

Entendeu? Não? Então melhor dizer que isso aí é um código virtual que serve como garantia de que um item é único e legítimo. Mas o que se faz com isso? Essa tecnologia permite que obras de arte digital tenham um selo comprobatório próprio e em seu ambiente nativo. É o caso do painel My Life, que está em processo de produção e traz 999 fotos feitas por Claudio Edinger.

Um homem posa com um violão apoiado no chão ao seu lado. Ele está sorrindo em um cenário com prédios e árvores
NFT: certificação digital Imagem azul: A M Hasan Nasim/Pixabay/Divulgação

A “prova” de que não é uma montagem qualquer feita por um anônimo é o registro via NFT. Além disso, há a possibilidade de ser colecionador sem ter um espaço físico. Em São Paulo, por exemplo, a Nós Galeria, do Centro, já lançou obras em NFT.

Um homem posa com um violão apoiado no chão ao seu lado. Ele está sorrindo em um cenário com prédios e árvores
O cantor Jorge Vercillo prepara seu ingresso nesse mundo: venda musical Lucas Soares/Divulgação

Na música, o uso tem a ver com a sustentabilidade de bandas. Por meio do NFT, conseguem comercializar um álbum com maior porcentual de lucro do que ocorre no streaming. Um dos nomes que devem se aventurar nesse campo é o cantor Jorge Vercillo, que conta com a ajuda de Taynaah Reis, CEO da All Be Tuned, que auxilia artistas brasileiros interessados nesse terreno virtual. Ela já até tem um case, vendeu 100 certificações de um single próprio. O valor foi de 1 694 reais, cada uma.

Por último, uma ressalva, para fazer a compra desse código é preciso adquirir criptomoedas, a mais usada nesse caso é o ethereum, que, a depender do dia, tem cotação variada para real, dólar ou euro. “A regulamentação de criptomoedas ainda está engatinhando, mas é possível investir sem cair em ciladas”, diz Taynaah. Para Vercillo é uma tendência: “O NFT é um modelo que vai inovar o mundo da música e da arte em geral”, afirma o músico.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 30 de junho de 2021, edição nº 2744

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade