Clique e assine por apenas 5,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Exposição de fotógrafa chilena traz registros de cotidiano em manicômio

Mostra com cento e cinquenta fotografias está em exibição no Instituto Moreira Salles (IMS)

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 18 out 2020, 17h57 - Publicado em 18 out 2020, 17h51

Está em cartaz no Instituto Moreira Salles (IMS) uma exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz. A mostra traz cento e cinquenta imagens e faz uma retrospectiva da trajetória da artista. Autodidata, Errázuriz começou a trabalhar com fotografia na década de 1970, após abandonar a carreira de professora primária devido a ascensão da ditadura de Augusto Pinochet. Em 1981, fundou a Associação de Fotógrafos Independentes que documentou as manifestações e outras expressões de resistência contra o regime.

Evelyn, La Palmera, Santiago, da série O Pomo de Adão (1983), de Paz Errázuriz. © Paz Errázuriz/Divulgação

Em uma de suas séries, chamada O Pomo de Adão, a fotógrafa registrou o cotidiano de transexuais que trabalhavam em bordeis de Santiano e Talca. Os registros mostram um pouco do dia a dia: se preparando para o trabalho, caminhando pelas ruas e os locais onde dormiam. Outra série importante é O Infarto Da Alma, em que retrata os casais no hospital psiquiátrico Philippe Pinel de Putaendo, a 200 quilômetros da capital chilena, Santiago. 

Infarto 30, Putaendo, da série O infarto da alma (1994), de Paz Errázuriz © Paz Errázuriz/Divulgação

A exposição é gratuita e vai até o dia 3 de janeiro. É preciso agendar a visita pela página do instituto.

(Com informações da Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade