Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

La Frontera fecha as portas definitivamente

Restaurante quatro-estrelas pelo Comer & Beber não resistiu à crise financeira provocada pela pandemia do coronavírus

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 8 abr 2020, 22h22 - Publicado em 8 abr 2020, 22h20

Há exatos 21 dias Ana Maria Massochi fechou a porta do La Frontera, em Higienópolis, com uma dúvida que a atormentou nessas três últimas semanas. A empresária, que também é dona da churrascaria Martín Fierro, na Vila Madalena, se questionava como poderia manter o ótimo restaurante de culinária variada, com quatro das cinco estrelas máximas de VEJA SÃO PAULO COMER & BEBER, sem faturar. “Há dois anos as coisas não estavam boas no La Frontera, mas a conta fechava”, diz. “Agora, não dava mais.”

Quando não entra nada, é um desespero. Se mantivéssemos o La Frontera, iria afundar o Martín Fierro

Ana Maria Massochi, empresária

Ana tomou uma decisão difícil: encerrar definitivamente as atividades da charmosa casa com amplos janelões numa ruazinha tranquila ao lado do Cemitério da Consolação. “Choro bastante, depois passa. É muito difícil. Penso em tudo o que fizemos nesses 14 anos”, lamenta-se. “Além disso, tínhamos um retorno bom da nossa clientela, sempre muito fiel, e de críticos como você Arnaldo, com quem quis falar em primeira mão.”

A empresária dispensou todos os 24 funcionários. “Quando não entra nada, é um desespero”, explica. “Me dava vergonha porque a equipe é tão querida, mas se mantivéssemos o La Frontera, iria afundar o Martín Fierro. Perderia os dois.”

Somente o chef Filipe Leite permaneceu. “Ele tinha reunido profissionais incríveis na cozinha”, elogia. “O Filipe está comandando o delivery do Martín Fierro [está sem operar o salão desde o dia 20]. Mas são poucos pedidos, cerca de 30 por dia. Espero poder mantê-lo”.

Do extinto estabelecimento, Ana conta que vai manter só o direito de uso da marca La Frontera. “Torço para que o dono do imóvel, que é alugado, o mantenha como está. Na reforma que fizemos para inaugurar há 14 anos, abrimos as janelas para rua. E tomara que o próximo inquilino seja um restaurante”, sonha.

Assine a Vejinha por 14,90 mensais.

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato
Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma
+ O tiramisu original
+ O melhor petit gâteau do Brasil

Continua após a publicidade
Publicidade