Paulo Szot

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Luan Flavio Freires

Criado em Ribeirão Pires, esse paulistano de 45 anos se firmou como um dos principais cantores líricos do mundo. Sua trajetória mostra-se curiosa: filho de poloneses fugitivos do nazismo, Szot (pronuncia-se “xót”) queria ser bailarino — chegou ainda a tentar o vestibular de medicina, mas foi reprovado. Em 1987, foi para a terra natal dos pais, onde continuou a praticar balé, porém uma lesão o aposentou precocemente da dança dois anos depois. Ainda na Europa, entrou para o Slask, grupo folclórico da Polônia comunista, no qual começou a cantar. A partir de então, sua ascensão foi rápida. Voltou para o Brasil aos 26 anos e tornou-se coralista do Teatro Municipal de São Paulo, antes de se lançar em carreira-solo. Em 2001, estrelou Carmen, no New York City Opera, e em 2008, um ano depois de adentrar o mundo dos musicais, venceu o Tony Award, o Oscar da Broadway, pelo papel principal em South Pacific (até hoje, ele é o único brasileiro com o prêmio). Szot volta à cidade para abrir a série de concertos do Teatro São Pedro. Com a orquestra da casa, regida por Luiz Fernando Malheiro, o barítono canta peças operísticas de Mahler, Mozart, Tchaikovsky, Verdi, Gomes e Wagner. Dias 6 e 8/2/2015.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s