Exposição de Henri Matisse

Resenha por Jonas Lopes

Valeu a espera pela primeira individual brasileira do francês Henri Matisse (1869-1954), um dos mais importantes nomes da arte no século XX. Mesmo sem as emblemáticas A Dança e A Alegria de Viver, a “microspectiva” (definição da curadora Emilie Ovaere) Matisse Hoje reúne um conjunto magnífico de 93 trabalhos, divididos em pinturas, esculturas, gravuras, colagens e documentos pessoais. Telas como Natureza-Morta com Magnólia (1944) e Odalisca com Calça Vermelha (1921) deixam clara a obsessão do mestre em criar harmonia entre cor e luz, preocupação notável desde o início ainda marcado pelo impressionismo, passando pelo célebre período fauvista até chegar aos divertidos papéis recortados produzidos no fim da vida. As únicas ressalvas ficam para alguns textos pouco legíveis na parede e, infelizmente, para os cinco franceses contemporâneos exibidos paralelamente, que não mantêm o nível de qualidade do gênio.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.