Era Uma Vez em… Hollywood

Tipos de Gêneros dramáticos: Comédia, Drama
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Miguel Barbieri Jr.

Em 9 de agosto de 1969, a atriz Sharon Tate, mulher do diretor Roman Polanski, foi assassinada por integrantes da seita de Charles Manson. Grávida, ela tinha 26 anos e um filme seu, Arma Secreta contra Matt Helm, estava em cartaz. Sharon, interpretada por Margot Robbie, e Polanski são personagens reais e pano de fundo de Era Uma Vez em… Hollywood, o nono, brilhante e genial longa-­metragem de Quentin Tarantino, um dos únicos diretores americanos que conseguem imprimir uma marca autoral — ele, inclusive, faz autorreferência de sua obra em seu mais recente trabalho. Sharon e Polanski passam a ser vizinhos, em Los Angeles, de Rick Dalton (Leonardo DiCaprio), esse, sim, o protagonista. Já na meia-idade e decadente, Dalton fez sucesso como caubói de um seriado de faroeste e, agora, é escalado para papéis de vilão — e só leva porrada. Recebe, porém, a proposta de um executivo (Al Pacino) para estrelar, na Itália, os famigerados spaghetti westerns. Seu dublê e motorista é também seu amigo: Cliff Booth (Brad Pitt) não leva desaforo para casa e resolve tudo na base da pancadaria — seu embate com Bruce Lee é uma das cenas mais divertidas. Aliás, não falta humor no novo Tarantino. Nem cinefilia. As referências são tantas que só o próprio realizador deve conseguir identificar todas. Há menções a séries, filmes, astros… E também a Manson e sua “família” de hippies, que viviam num rancho que, a certa altura dos 160 minutos, será investigado por Booth. Tarantino é igualmente fera em dois quesitos: na direção de arte, primorosa, que faz uma recriação impecável (e sutil) do fim dos anos 60, e na trilha sonora, contagiante, que mistura canções de Simon & Garfunkel, Joe Cocker, Aretha Franklin, Deep Purple, Rolling Stones com os “trilheiros” Ennio Morricone e Lalo Schifrin. Puro deleite para os ouvidos! Pitt está ótimo, mas, assim como um dublê, serve de escada para DiCaprio deitar, rolar e explicitar suas vertentes cômicas e dramáticas — uma atuação digna de indicação ao Oscar. Dos nove filmes de Tarantino, este é um dos mais completos, instigantes, originais e fascinantes — e vai reconhecer isso quem for cinéfilo de carteirinha. Direção: Quentin Tarantino (Once Upon a Time… in Hollywood, EUA/Inglaterra/China, 2019, 161min). 16 anos.

    info
  • Direção: Quentin Tarantino
  • Duração: 161 minutos
  • Recomendação: 16 anos
  • País: Estados Unidos
  • Ano: 2019

Locais e horários

    date_range Até 18 de setembro

  • Confira salas e horários no cinema de sua preferência

    Mais informações arrow_drop_down

    VejaSP
    starsstarsstarsstarsstars
    + sobre o local

    Mais informações arrow_drop_up
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s