Djanira: a Memória de Seu Povo

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Juliene Moretti

Para abrir o ciclo Histórias das Mulheres, Histórias Feministas, o Masp resgata cerca de setenta obras de Djanira da Motta e Silva (1914-1979) na mostra Djanira: a Memória de Seu Povo. Parte da segunda fase do modernismo brasileiro, ela foi autodidata e começou a pintar nos anos 30, quando ficou internada em um sanatório, por causa da tuberculose. “Por não ter tido uma educação artística formal e não ser da elite, muitos a classificavam de ingênua, o que ela sempre combateu”, diz um dos curadores, Rodrigo Moura. A classe trabalhadora e o entretenimento das pessoas da época eram temas constantes, como se vê em Parque de Diversões (foto). Também chamam atenção suas representações da religiosidade, como o painel Candomblé, encomenda de Jorge Amado.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s