Clique e assine com até 89% de desconto

Como Ter uma Vida Quase Normal

Tipos de Gêneros dramáticos: Monólogo cômico
VejaSP:

Resenha por Dirceu Alves Jr.

São muitas as peças sobre conflitos e trapalhadas da solteirice no universo feminino. Poucas, porém, escapam de clichês e apresentam uma abordagem nova sobre o tema. Protagonizado por Monique Alfradique, o monólogo cômico Como Ter uma Vida Quase Normal não alcança a originalidade, mas, pelo menos, oferece situações comuns a quem, na casa dos 30 e poucos, ainda não se livrou do imaginário adolescente. O texto, adaptado do livro de Camila Fremder e Jana Rosa, traz uma protagonista que aproveita muito bem a vida, mas, por causa de pequenos tropeços, não encontra um amor e, insegura, também trilha descaminhos profissionais. Depois de uma relação de quatro anos, a personagem se viu solteira e sem perspectivas no trabalho de escritora. Ela tem uma melhor amiga adorada, mas vítima constante de seus bullyings, uma mãe que a mete em roubadas e um celular sempre à mão para paquerar e pagar micos, principalmente depois de exagerar nas doses de gim. A disposição de Monique rende a simpatia do público, mas falta um desapego para colocá-la mais próxima do ridículo e fazê­-la saltar como intérprete. Direção e dramaturgia de Rafael Primot (70min). 14 anos. Estreou em 21/9/2019.

    info
  • Direção: Rafael Primot
  • Duração: 70 minutos
  • Recomendação: 14 anos
Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.