Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Até que a Sorte nos Separe 3

Tipos de Gêneros dramáticos: Comédia
VejaSP:

Resenha por Miguel Barbieri Jr.

A saída para a sobrevivência da cinessérie foi brincar com algo recente: a crise econômica que se agravou no país em 2015. Ok, trata-se de humor da estação que já estará caduco em alguns meses. Por enquanto, dá para se divertir com a continuação da trajetória de Dino (Leandro Hassum). Ele perdeu, novamente, sua fortuna no episódio anterior e, em, ganha uns trocados vendendo biscoitos no farol. Um atropelamento o coloca por sete meses num hospital e, ao sair do coma, descobre algo capaz de tirar sua família do buraco: Tom (Bruno Gissoni), responsável pelo acidente, é filho de Rique (Leonardo Franco), o homem mais rico do Brasil. E, para melhorar, sua filha (Julia Dalavia) está namorando o herdeiro. O pai dele, encantado com a simplicidade e transparência de Dino, decide dar a ele um emprego-cabide em sua corretora de valores. O roteiro não foge do óbvio e, por isso mesmo, consegue fazer rir com sua graça  popular. Rique, claro, é uma cópia de Eike Batista e sua mulher (Emanuelle Araújo) usa até uma “coleira” no pescoço, inspirada em Luma de Oliveira. A cereja do bolo, contudo, vem de Brasília. Na conversa de Dino e seu colega de trabalho (Kiko Mascarenhas) com Dilma, sobram farpas, inclusive, para as “pedaladas” (fiscais) — e Mila Ribeiro rouba a cena como a intérprete da presidente. Mas, entre muitos acertos, a comédia acaba se rendendo ao politicamente correto ao abraçar o romantismo em seu desenrolar. Estreou em 24/12/2015.

    info
  • Direção: Roberto Santucci e Marcelo Antunez
  • Duração: 106 minutos
  • Recomendação: 12 anos
  • País: Brasil
  • Ano: 2015
Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.