Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Convergente

Tipos de Gêneros dramáticos: Ficção científica
VejaSP:

Resenha por Miguel Barbieri Jr.

Virou moda. Assim como em Crepúsculo e Jogos Vorazes, o último capítulo da cinessérie Divergente, inspirada na trilogia de livros de Veronica Roth, foi dividido em duas partes. Convergente estreia agora e o fim da história, chamado Ascendente, ficou para junho de 2017. Trata-se, portanto, de mais um miolo da trama, típica sequência para interessar aos fãs. Ao menos, ao contrário de Insurgente, de 2015, aqui há um roteiro polpudo, revelações e surpresas. No filme anterior, Tris (Shailene Woodley) e seu namorado, Quatro (Theo James), estavam prestes a sair de Chicago, destruída e dividida em facções, e pular um alto muro em busca de uma nova vida. Dito e feito. O casal foge para, finalmente, saber o que existe do lado de lá e ganha a companhia do dissimulado Peter (Miles Teller), de Christina (Zoë Kravitz) e de Caleb (Ansel Elgort), irmão de Tris. Segue a jornada rumo ao desconhecido. A sociedade distópica (muito parecida com a de Jogos Vorazes) tem jovens na linha de frente trabalhando para um senhor controlador (papel de Jeff Daniels). A ambiência do futuro ganha as cores de planeta vermelho com construções e naves espacias de modelos arrojados. Efeitos visuais ajudam a contornar uma ou outra passagem em que a narrativa cai no ponto morto. Inexpressiva (muito por causa do momento apático da personagem), Shailene Woodley abre espaço para seu parceiro, Theo James, arregaçar as mangas e bancar o herói. A conclusão? Só nos resta esperar mais de um ano para saber qual será o desfecho. Estreou em 10/3/2016.

    info
  • Direção: Robert Schwentke
  • Duração: 121 minutos
  • Recomendação: 12 anos
  • País: EUA
  • Ano: 2016
Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

  1. Hugo Dourado Teodoro

    O mais fraco e artificial de todos até agora, uma história fraca com pouco envolvimento e umas atuações pra lá de medíocres. Um filme que não vale a pena ser visto. É quase que certeza que continuações de filmes, que são sagas “teens” são sempre um pior que o outro.