publicidade

Saúde

Contra o mau humor e a dor de cabeça ou para emagrecer?

Remédio da moda, topiramato deve ser usado apenas em casos específicos

1.jun.2011 | Atualizada em 4.nov.2011 por Alexandre Aragão

Enquanto as academias da cidade ficam abarrotadas de candidatos a ter uma silhueta esguia, alguns procuram caminhos menos exaustivos para atingir o corpo perfeito. O topiramato, remédio produzido para combater convulsões, ataques de epilepsia e enxaquecas, virou o queridinho de quem quer emagrecer sem suar.

Após também se mostrar útil na redução de peso e no combate à compulsão alimentar em estudos produzidos nos Estados Unidos, a pílula passou a ser parte do repertório de endocrinologistas — e pacientes mais sedentos por novidades passaram a marcar consultas para requisitar receitas.

“O topiramato deve ser usado apenas em casos pontuais de obesidade”, afirma Márcio Mancini, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem). “Não funciona com todo mundo”, endossa Alfredo Halpern, chefe do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas.

No 14º Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica, organizado pela Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso) entre os dias 25 e 28 de maio deste ano, o uso do topiramato foi um dos tópicos mais debatidos. “As pessoas estão usando mais, isso é indiscutível”, conta Halpern, que presidiu o evento. “Nos últimos três anos, o aumento do consumo foi significativo não apenas no Brasil.” O especialista atribui o fato ao maior número de estudos clínicos que comprovam a eficácia do topiramato no tratamento de compulsão alimentar e na perda de peso.

Nos Estados Unidos, a combinação do remédio com a fentermina, um tipo de anfetamina, apresentou resultados ainda melhores para o emagrecimento. “Essa associação diminui os efeitos colaterais de cada um dos medicamentos”, explica Halpern. A FDA, agência que regulamenta medicamentos naquele país, requisitou mais estudos para aprovar o uso comercial desta combinação. No Brasil, a fentermina é proibida, o que impossibilita o uso combinado dos medicamentos. “Cerca de metade dos brasileiros têm sobrepeso, o assunto deveria ser levado mais a sério”, diz Macini.

A principal diferença entre os possíveis usos do topiramato é a dosagem. Para pessoas que desejam perder peso, a ingestão de 25 a 100 miligramas por dia é suficiente. Já a quantidade recomendada aos fins originais do remédio chega a 400 miligramas diários. Alguns dos sintomas possíveis são perda de memória, formigamento, sonolência, irritabilidade e tonturas.

O dramaturgo Gerald Thomas: uso de topiramato durante 9 anos
O dramaturgo Gerald Thomas: uso de topiramato durante 9 anos
(Foto: Alexandre Schneider)

Nas dez farmácias visitadas pela reportagem de VEJA SÃO PAULO, a caixa de 60 comprimidos de 25 miligramas custava, em média, 53 reais. O preço variou entre 39 e 69 reais. Usuário do topiramato durante oito anos, o dramaturgo Gerald Thomas interrompeu o ciclo em maio do ano passado. Utilizado por ele como um modulador de humor — foi prescrito por um médico americano após os ataques às Torres Gêmeas, que ele viu da janela de seu apartamento —, o remédio apresentou dois efeitos colaterais: perda de peso e mudança na temperatura corporal. “Tomava quatro comprimidos de 100 miligramas cada um por dia, o que tirava meu apetite. Tinha que me forçar a comer”, conta.

Acima do peso e sofrendo de compulsão alimentar, a publicitária Marcela Pierin, de 32 anos, começou o tratamento com topiramato há dois anos e meio. Por recomendação de seu médico, ela também tomou, combinada à medicação, a sibutramina, remédio que tem como principal objetivo o emagrecimento. Dos 78 quilos que tinha, sobraram 57. “Mas, sem mudar a alimentação, não adianta nada”, alerta Marcela. “Fiquei um ano sem comer doces”, diz. A publicitária conta que integrou ao seu dia a dia corridas no parque e outros exercícios aeróbicos na academia. Quando tentou passar a dose do topiramato de 25 para 50 miligramas diárias, sentiu aumentar o único efeito colateral que sofreu durante o tratamento: a sonolência. “Por isso, tomo sempre à noite.”

Para não errar na hora de indicar o remédio, médicos têm adotado um expediente para aumentar sua eficácia. “Prescrevo o topiramato apenas quando há alguma outra condição para o uso da substância, como enxaqueca constante”, explica Rosana Radominski, presidente da Abeso. Antônio Roberto Chacra, chefe do departamento de endocrinologia da Unifesp, faz uso de procedimento semelhante: “O topiramato pode ajudar no processo de emagrecimento de pacientes em que o excesso de peso está associado à ansiedade.” Outros candidatos a usuários da medicação são pacientes com compulsão alimentar e obesos com diabetes ou problemas cardíacos.

Em meio ao debate, a melhor fórmula para perder peso continua sendo a de sempre: “Mudança de hábito, com exercícios físicos e adequação da dieta”, diz Rosana. Enquanto os laboratórios não descobrem o elixir do emagrecimento, o jeito é subir nas esteiras.

publicidade

X

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail