Cidade

Confronto no centro: manifestantes queimam ônibus e tentam saquear lojas

Reintegração de posse em hotel na Avenida São João terminou em conflito entre policiais militares e invasores na manhã desta terça-feira (16) 

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Invasores de um hotel abandonado na Avenida São João, no centro, entraram em confronto com a Polícia Militar na manhã desta terça-feira (16) durante uma reintegração de posse. Os moradores do local decidiram não deixar o prédio mesmo com a decisão da Justriça. Um ônibus foi incendiado por volta das 10h nas proximidades do Theatro Municipal, que fica nas imediações do prédio invadido.

+ Mulher é morta durante assalto na frente dos filhos na Zona Oeste

Alguns manifestantes que usavam máscaras atearam fogo ao coletivo e tentaram saquear lojas da região central da cidade. Segundo informações da polícia, a Rua Xavier de Toledo e o Viaduto do Chá estão totalmente bloqueados. Por causa do confronto, o trânsito no centro da capital está travado. A estação República do metrô foi bloqueada pela PM. 

Reintegração Avenida São João
Manifestantes entraram em confronto com a Polícia Militar na Avenida São João (Foto: Reprodução TV Globo)

De acordo com a PM, o confronto começou quando manifestantes se recusaram a deixar o hotel invadido jogaram pedras e objetos contra os policiais, que revidaram com bombas de efeito moral. Até mesmo um sofá foi jogado do prédio, ocupado por aproximadamente 200 famílias.

+ Médico do Sírio-Libanês é baleado dentro do consultório

A Secretaria de Segurança Pública informou que a juíza da 25ª Vara Cível do Foro Central, Maria Fernanda Belli, determinou a reintegração de posse para o proprietário do imóvel, que pertence a empresa Aquarius Hotel Limitada.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Ainda de acordo com a SSP, esta é a terceira tentativa de fazer a reintegração de posse do edifício. A primeira aconteceu no dia 11 de junho, mas a ação foi cancelada, pois o proprietário do imóvel não encaminhou ao local caminhões e carregadores para o transporte. Já no dia 27 de agosto os oficiais de Justiça avaliaram que as condições não eram adequadas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO