Saúde

Problemas financeiros ameaçam Santa Casa e Hospital São Paulo

Dívidas põem em risco o serviço de dois importantes hospitais da capital

Por: Júlia Gouveia

santa casa de misericórdia são paulo
A Santa Casa: auditoria revelou dívida de 433,5 milhões de reais (Foto: Márcio Fernandes/Estadão)

Encontrar serviços de saúde de qualidade na rede pública é algo cada vez mais raro. Diante desse cenário, é com enorme inquietação que os paulistanos receberam na semana passada notícias preocupantes a respeito do estado financeiro de duas instituições que, durante anos, foram conhecidas pela excelência no atendimento. Agora, atoladas em dívidas, estão com o dia a dia comprometido e correm o risco de fechar caso não recebam uma transfusão urgente de recursos. A situação mais alarmante é da Santa Casa de Misericórdia, na Vila Buarque. Fundado em 1884, o local é administrado pela iniciativa privada, mas não tem fins lucrativos. Nos últimos anos, o endereço começou a sofrer com a falta de recursos financeiros. Na tentativa de solucionar a crise, a Secretaria Estadual de Saúde liberou uma verba emergencial de 3 milhões de reais em julho, quando o pronto-socorro do lugar ficou fechado trinta horas por falta de dinheiro.

+ A recuperação do Incor

Em contrapartida a essa ajuda, o governo pediu que fosse realizada uma auditoria para conhecer o tamanho exato do rombo no orçamento. Na época, estimava-se um passivo de 350 milhões de reais. Divulgado na última segunda (29), o estudo mostrou uma situação ainda pior do que se imaginava: a Santa Casa deve na praça 433,5 milhões de reais. “Sabíamos que havia problemas, mas não desse porte”, afirma o secretário de Saúde, David Uip, que planeja formar uma comissão para acompanhar de perto o caso. “A instituição precisará tomar medidas radicais e vamos ajudá-la a renegociar essa dívida.” Nos últimos dias, circularam informações de que o governo injetaria cerca de 130 milhões de reais no hospital. “É leviano falar em números neste momento, pois ainda estamos em fase de discussões”, desconversa Uip.

david uip secretário da saúde
David Uip, secretário de Saúde: criação de comissão para supervisionar a gestão da Santa Casa (Foto: Fabio Braga/Folhapress)

À frente da administração do hospital desde 2008 e reeleito em abril para um período de mais três anos no cargo, o advogado Kalil Rocha Abdalla é apontado por muitos como o responsável por fazer o bolo do passivo crescer de forma descontrolada. “Sua gestão é uma caixa-preta: não existe ali hoje nenhuma atividade que não seja deficitária”, critica Eduardo Carneiro, ex-presidente da AACD e irmão remido da Santa Casa, posição equivalente à de conselheiro. Procurado pela reportagem de VEJA SÃO PAULO, Abdalla não quis dar entrevista. No último dia 15, dois membros de sua equipe pediram demissão: o superintendente Antonio Carlos Forte e o tesoureiro Hercílio Ramos. Isso ocorreu depois da divulgação de uma denúncia na Folha de S.Paulo. Segundo a notícia, os dois receberam um total de 100 000 reais por serviços prestados de consultoria a um dos fornecedores de materiais da Santa Casa.

+ Por que somos tão maltratados pelos planos de saúde

hospital são paulo unifesp
Pacientes no Hospital São Paulo: atendimento sobrecarregado no pronto-socorro (Foto: Caio Guatelli/Folhapress)

Outro estabelecimento em estado crítico é o Hospital São Paulo, na Vila Clementino, que pertence à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Nesse caso, as dívidas são menores, mas não menos preocupantes: em torno de 50 milhões de reais. Para não fechar o pronto-socorro, que atende mais de 700 pacientes por dia, a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, passou o chapéu no Ministério da Saúde e na Secretaria Estadual de Saúde. Levantou quase 15 milhões de reais. “Além de resolver o restante da dívida, precisamos solucionar o déficit atual da operação, de 2 milhões de reais por mês”, afirma Soraya. Ela está fazendo reuniões para tentar renegociar os valores recebidos do SUS, que estariam defasados. “Não queremos ficar vivendo de recursos emergenciais”, completa.

+ DIAGNÓSTICO GRAVE

Os principais problemas vividos  pelas instituições nos últimos meses

SANTA CASA

tamanho da dívida: 433,5 milhões de reais

medidas emergenciais: intervenção da Secretaria Estadual de Saúde, que realizou auditoria e detectou o rombo no orçamento; entrada de novos superintendente e tesoureiro

HOSPITAL SÃO PAULO

tamanho da dívida: 50 milhões de reais

medidas emergenciais: dirigentes foram ao Ministério da Saúde e à Secretaria Estadual de Saúde pedir dinheiro para evitar o fechamento do pronto-socorro, que atende mais de 412 000 pacientes por ano, contando o pronto-atendimento

Fonte: VEJA SÃO PAULO