publicidade

Carreira

Paulistanos transformam paixão por games em profissão

Desde 2008, dobrou o número de profissionais que trabalham na área. Conheça dez deles que ganham a vida brincando

15.jun.2012 por Flora Monteiro

A venda de consoles e jogos movimentou 112 milhões de reais na cidade de São Paulo no ano passado, segundo pesquisa realizada pela InsideComm, agência de comunicação especializada no setor, a pedido da Associação Comercial, Industrial e Cultural de Games. Isso representa um crescimento de 36% em relação a 2008, e os principais responsáveis por esses números expressivos são os cerca de 570.000 consumidores de produtos do segmento na capital. Destes, 44% jogam todos os dias e mais da metade compra títulos novos no mínimo uma vez por mês. Mas já se foi o tempo em que videogame era apenas fonte de diversão.

+ Um reduto para fãs de HQs, games e objetos do universo geek

+ Paulistanos que se orgulham de ser nerds

+ Grandes nomes provam talento no videogame

A novidade é que cada vez mais paulistanos adotam a lúdica atividade como forma de ganhar a vida. “A cidade tem aproximadamente 4.000 pessoas trabalhando na área, um contingente que dobrou em quatro anos”, calcula Marcelo Tavares, idealizador da feira Brasil Game Show, que ocorrerá entre os dias 11 e 14 de outubro, no Expo Center Norte, na Vila Guilherme. Tradutor, dublador, desenvolvedor e organizador de torneios são algumas das profissões possíveis. As opções não param por aí: existe quem teste jogos, ensine a criá-los ou assuma a função de técnico. E, mais impressionante, há até os que recebem um salário mensal só para disputar campeonatos.

Esse time de profissionais está conectado a um mercado promissor: para ficar em apenas um exemplo, a empresa Hive, que atua no ramo de desenvolvimento de novos games, embolsou 7 milhões de reais em 2011 e espera fechar este ano com um crescimento de 57%.

Conheça, abaixo, a história de dez desses personagens que transformaram fanatismo em profissão.

Rapaz já participou de torneios com seu console na Holanda, Suiça, Estados Unidos e Coreia do Sul Saiba mais.

Além de dublar o bruxo Severo Snape nos games, ator já dublou “Power Rangers: Super Legends” e outros jogos Saiba mais.

Fera no jogo “Counter-Strike”, estudante criou um curso on-line para ensinar suas técnicas e truques Saiba mais.

Paulistano acompanha as partidas no campo para reproduzir a realidade no mundo virtual Saiba mais.

Paulistano treina jogadores para participaram de campeonatos virtuais Saiba mais.

Coordenadora da área de testes de uma distribuidora de games, moça chega a avaliar 200 games por ano Saiba mais.

Professor de design de games ensina seus alunos a desenvolverem jogos eletrônicos Saiba mais.

Dono da Quoted, paulistano atua na tradução de títulos de algumas das franquias mais badaladas do mercado Saiba mais.

Empresário já lançou mais de cinquenta games para mídias sociais e aparelhos como iPhone Saiba mais.

Antes funcionário de uma lan house, paulistano foi contratado para organizar torneios no Brasil para a Riot Games Saiba mais.

publicidade

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail