Crise hídrica

Mesmo com chuvas, nível do Cantareira volta a cair

Situação atinge também outras represas, como a Guarapiranga, que segue em queda

Por: Veja São Paulo

Chuva centro
Pedestres caminham sob chuva que cai na região central (Foto: Avener Prado/Folhapress)

Apesar da chuva constante que atinge a região do Cantareira, o sistema amanheceu em queda nesta quarta-feira (5). Segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o sistema perdeu 0,1 ponto porcentual da sua capacidade total, que desceu de 11,9% para 11,8%.

+ Motoristas de ônibus preparam paralisação das 10h às 12h desta quarta

Desde que a segunda cota do volume morto foi incluída, o sistema, que abastece a Grande São Paulo, registra queda diária de 0,2 ponto porcentual. A exceção foi na última terça, quando, pela primeira vez, permaneceu estável.

+ Com obra atrasada, trem para Cumbica só sai em 2016

Com a relativa estabilização do Cantareira, a preocupação se volta para outras represas que estão sendo usadas para abastecer a capital. Mesmo com uma quantidade considerável de chuva, com 12,2 milímetros acumulados, a represa de Gurapiranga caiu de 37,9% para 37,5% em um dia. Já no Alto Tietê, o volume do reservatório caiu de 8,7% para 8,6%.

+ Confira as últimas notícias

Outubro seco

A crise hídrica se agravou em outubro, mês mais seco em 84 anos. Desde 1930, os rios que alimentam os reservatórios não registravam uma vazão tão baixa, de 4 000 litros por segundo, apenas 14,8% da média histórica mensal — que passou a ser registrada naquela década.

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO