Perfil

Karina Milanesi bomba no Instagram com vídeos de “faça você mesmo“

No @dicadaka, ela dá nova cara a cadernos, latas, retalhos e outros objetos em quinze segundos – e fatura 45 000 por mês

Por: Thaís Reis Oliveira - Atualizado em

Karina Milanesi
A ex-dasluzete em seu estúdio caseiro: 2,6 milhões de fãs (Foto: Ricardo D'Angelo)

Entre 2009 e 2010, Karina Milanesi integrou o seleto clube de vendedoras da butique Daslu, ícone do luxo na capital por décadas. Na megaloja da Vila Olímpia, lidava com acessórios de grifes como Dior e Chanel. “Já vendi um par debotas por 25 000 reais na liquidação”, recorda. Curiosamente, ela acabou fazendo sucesso em um universo bem diferente.

+ Conheça Thayanara OG, musa maranhense do SnapChat

+ A história de empreendedores paulistanos que deram a volta por cima

Com breves vídeos ao estilo “faça você mesmo”, a paulistana é uma das brasileiras campeãs em seguidores no Instagram. Karina ensina o público a personalizar ou consertar roupas e objetos de decoração por conta própria. São 2,6 milhões de fãs, mais do que a musa fitness Gabriela Pugliesi (2,2 milhões de pessoas) e a badalada blogueira de moda Lala Rudge (1,2 milhão). “Cheguei a ganhar 100 000 seguidores em apenas uma semana.”

No estúdio improvisado em sua casa, na Zona Oeste, ela transforma CDs quebrados, latas, retalhos e demais quinquilharias em objetos novos em folha. A popularidade migrou para outras redes —são 80 000 visualizações diárias no Snapchat— e lhe rende um faturamento mensal médio de 45 000 reais, resultado de parcerias com marcas como Coca-Cola e Intimus. Assista a alguns deles:

Todas as negociações com patrocinadores passam pelo crivo do marido e assessor, o designer Sergio Garb, que relata dizer muitos “nãos” a interessados na parceria. “Ela não pode fazer propagandade um brinco de 20 000 reais se o foco do trabalho é mostrar como reutilizar um antigo”, explica. Frequentadora da Comunidade Cristã Aprisco da Família, Karina é evangélica de berço, o que lhe traz outras restrições. “Nunca faço ações ligadas a Carnaval nem a Halloween.” 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO