Trabalho

O garçom que se tornou presidente

Presidente de operações do Fogo de Chão no Brasil, Jandir Dalberto começou lavando pratos

Por: Daniel Bergamasco [colaboraram Arnaldo Lorençato, Mariana Gabellini e Taciana Azevedo] - Atualizado em

Garçom - Dalberto - 2232
Dalberto: promovido há um mês para a posição nº 1 da Fogo de Chão no Brasil (Foto: Mario Rodrigues)

"Algo que anima os jovens iniciantes em uma churrascaria é a hierarquia clara, que permite chegar longe. Eu saí do Paraná há mais de vinte anos e comecei em restaurantes lavando pratos. Nunca tive vergonha de nada, porque sabia muito bem por que eu tinha vindo para cá. Após três anos em outros lugares, comecei no Fogo de Chão como garçom. Em catorze meses virei gerente na loja de Santo Amaro. No início deste mês, cheguei à presidência. Aqui, todos os executivos são pessoas que cresceram na empresa, que conhecem o ponto ideal da carne porque já serviram o espeto. O que faz a diferença é mostrar disposição para aprender. Por exemplo: eu falava italiano, devido à origem da minha família, mas sabia pouco de inglês. Então fiz curso, corri atrás, e isso me ajudou. Na hora de contratar, também quero ver força de vontade. Não precisa ter experiência, mas querer muito é fundamental."

Jandir Dalberto, 45 anos, de Santo Antônio do Sudoeste (PR), é presidente de operações da rede Fogo de Chão no Brasil + Pesquisa: 87% dos garçons que atuam em São Paulo vêm de fora da cidade

+ Galeria de fotos: Pedro II, a capital brasileira dos garçons

+ A família veio em peso

+ Um golpe no alcoolismo

+ O garçom que virou patrão de 200 pessoas

+ Depois daquela briga

+ Conheça a capital brasileira dos garçons

Fonte: VEJA SÃO PAULO