Criminalidade

Ex-BBB Laércio é preso em Curitiba

Ele foi detido sob suspeita de estupro de vulnerável e oferecimento de bebidas alcoólicas a menores, segundo a polícia

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

laercio-bbb
Laércio é preso em operação da polícia civil (Foto: Reprodução / Gshow)

O ex-BBB Laércio de Moura foi preso na manhã desta segunda-feira (16), em Curitiba, sob suspeita de estupro de vulnerável e por oferecer bebidas alcoólicas a menores. Não foram divulgadas as circunstâncias em que os supostos crimes teriam ocorrido.

Ele foi detido preventivamente (não há prazo para sua soltura) em uma operação do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) e não ofereceu resistência. Segundo a Polícia Civil, a ação se deu no bairro de alto padrão Batel, na capital paranaense. A organização divulgou algumas conversas do rapaz no Facebook com uma menor de idade.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

De acordo com Daniela de Andrade, delegada-títular do Nucria, a investigação começou quando o homem ainda estava no programa da Globo, ao receber denúncias de relacionamentos de Laércio com menores de idade. Uma das vítimas, hoje com 17 anos, confirmou que teve um envolvimento com ele aos 13 anos.

Ele ainda é investigado por outros crimes previstos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Na casa dele foram apreendidos computador, HD externo, CDs com imagens e três celulares que serão analisados pela perícia.

BBB

Durante a exibição do reality show, em fevereiro deste ano, Laércio foi chamado de "pedófilo" pela participante Ana Paula Renault, a mais popular da atração. Ela se referia ao fato do rapaz namorar uma garota menor de idade, de 17 anos. A polêmica foi um dos pontos altos de audiência do programa. Ao ver o participante na cama vestindo apenas a cueca, a rival o chamou de “velho nojento e fedido”.

+ Laércio tem a vida vasculhada pelo público na internet

Depois da acusação, a página pessoal dele no Facebook virou assunto nas redes sociais, já que o tatuador seguia sites de armas, supremacia racial e até uma fanpage de uma participante de um reality show mirim. A reportagem não encontrou o advogado do acusado para que comente o caso.

Fonte: VEJA SÃO PAULO