Natal

Bolos natalinos diferentes para variar do panetone

Conheça o pandoro, o pane di Belluno e o stollen, releituras do tradicional quitute italiano com frutas cristalizadas

Por: Sophia Braun - Atualizado em

Jelly Bread - pandoro
JellyBread: pandoro de massa macia para polvilhar com açúcar (Foto: Tadeu Brunelli)

Muito popular e difundido no Brasil, o panetone é uma especialidade italiana da região de Milão. Diversas lendas tentam explicar o surgimento desse bolo natalino, originalmente uma massa aerada enriquecida por gemas, que lhe conferem a coloração amarelada, além de uva-passa e laranja e limão cristalizados.

Uma das mais aceitas — e citada no Larousse Gastronomique —, conta que o nome do doce é a contração das palavras pane (pão, em italiano) e Tonio, como se chamaria seu criador.

Se foi tal padeiro milanês quem inventou a receita, é difícil saber. Mas basta um olhar atento às gôndolas de supermercados e vitrines de padarias e docerias para encontrar variantes do doce que se tornou símbolo do Natal.

Stollen, primo alemão do panetone - COMIDA - 2248
Stollen, da Confeitaria Christina: receita com damasco e marzipã (Foto: Adriana Brier)

Nos países de origem germânica, por exemplo, popularizou-se o stollen, versão retangular e mais massudinha que o primo italiano. Apesar de também ter as frutas cristalizadas como ingrediente principal, é finalizado por um banho de manteiga derretida e polvilhado de açúcar.

Mas não é preciso ir tão longe para encontrar releituras do panetone clássico. Dentro da própria Itália é possível encontrar receitas com pequenas diferenças regionais, caso do pane di Belluno e do pandoro, típico de Verona.

Veja abaixo onde encontrar os três primos do panetone na cidade e também um bolo seco natalino com melado de cana:

■ PANDORO: ganhou uma ótima versão na JellyBread, no Jardim Paulista. A massa macia, sem frutas cristalizadas nem nada, é fermentada naturalmente e ganha toques de baunilha e laranja — uma delícia de tão delicada. Um sachê de açúcar é vendido junto para polvilhar. Custa R$ 30,00, com 600 gramas.

Stuzzi - pane di Bellumo
Stuzzi: pane di Bellumo leva mel e canela na massa (Foto: Tadeu Brunelli)

■ PANE DI BELLUNO: de massa mais sequinha, enriquecida por mel e canela, é produzido pela sorveteria Stuzzi em duas versões: com recheio de amêndoas caramelizadas e laranja ou de macadâmias e chocolate belga 50% cacau. Os pães doces podem ser encontrados nas duas unidades, na Vila Madalena e no Campo Belo, e custam R$ 57,00 (800 gramas) cada um.

■ STOLLEN: tem grande saída na Confeitaria Christina, no Campo Belo, especializada em doces de sotaque alemão. O bolo ganha cinco sugestões de recheio, entre elas nozes, marzipã com damasco (R$ 73,00 o quilo) e zero açúcar (R$ 88,00 o quilo). Quem não quiser arriscar, pode encomendar o seu  até domingo (23).

PAO - bolo natalino
PAO: bolo natalino com melado de cana (Foto: Flavia Sartori)

■ BOLO COM MELADO DE CANA: é criação do padeiro Rafael rosa, da PAO. Leva ainda na receita farinha de trigo integral, ovos, manteiga, açúcar mascavo, amêndoas, damasco, uva-passa, tâmaras, vinho do Porto e especiarias. O quitute de um quilo estará disponível nas cinco unidades da rede até segunda (24) e custa R$ 60,00.

Fonte: VEJA SÃO PAULO