Copa do Mundo

David Luiz tinha apelidos de "Topete" e "Ganso"

Mãe do zagueiro da seleção revela curiosidades sobre o jogador-sensação; saiba mais sobre o zagueiro que deve ser o capitão do Brasil ante a Alemanha nesta terça (8)

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Não tem como negar, David Luiz se tornou o jogador revelação dessa Copa. Irreverente, engraçado e "amigão", o craque é o preferido das crianças e de muitos adultos. Com a ausência de Neymar, ele assumiu também a posição de ídolo entre os torcedores. 

+ Crianças tentam explicar a derrota do Brasil contra a Alemanha

+ 20 caretas de David Luiz para torcer pelo Brasil

+ David Luiz lidera lista de melhores jogadores do Mundial

+ Acompanhe nossa cobertura ao vivo da Copa

Conversamos com Regina Célia, mãe de David, que contou algumas curiosidades do atleta. Criado em Diadema, começou na escolinha de futebol Cesar Sampaio e saiu de casa cedo, aos 14 anos, para conquistar outros gramados pelo mundo. Antes de seguir para o Vitória, na Bahia, ele atuou nas equipes de base do São Paulo. Foi no clube que recebeu o apelido de Ganso, por causa do pescoço longo, revela Regina. Entretanto, foi dispensado do clube paulistano ao ser considerado “muito baixo”.  

+ 7 indícios de que David Luiz é o jogador mais legal da Copa

+ Confira o melhor da cidade agora

A cabeleira só começou a ser cultivada quando o jogador seguiu para Portugal. "Quando David foi jogar no Benfica ele achou o país muito frio e deixou o cabelo crescer para esquentar a cabeça." 

Em 2012, o zagueiro sofreu uma lesão no tendão e quase ficou fora da final da Liga dos Campeões contra o Bayern de Munique. A mãe afirma que uma de suas maiores alegrias foi ter visto o filho, mesmo machucado, fazer um gol na cobrança de pênaltis, sagrando-se assim campeão. "Foi um momento muito especial para toda a família em que o David mostrou muita força". 

Confira outros detalhes da vida do jogador na galeria de fotos acima.

Fonte: VEJA SÃO PAULO